Translate

sexta-feira, 20 de abril de 2018

RESENHA: Léonard, É.-G. O Protestantismo brasileiro



            Tirando as duas tentativas frustradas de se estabelecer alguma forma de protestantismo no Brasil através da invasão e domínio, a primeira de curtíssima duração pelos franceses (1555-1567) e a segundo mais longa dos holandeses (1630-1654), os diversos ramos derivados da Reforma Protestante iniciaram definitivamente sua inserção no país no final dos oitocentos, com a chegada de diversos missionários de origem estadunidenses enviados pelas denominações evangélicas americanas.
            Entretanto, apesar da presença permanente e crescente destes ramos protestantes a mais de cento e cinquenta anos, sua presença e atuação na sociedade brasileira continuam sendo ignorada completamente pelos livros didáticos de História do Brasil. A culpa deste fato facilmente comprovado não é apenas daqueles que produzem o material didático, mas também dos próprios protestantes que optaram desde suas origens tupiniquins a manterem uma equidistância da sociedade em que eles vivem e quando chamados para assumirem um papel de protagonista dos eventos sociais contentaram-se em permanecerem como meros coadjuvantes da história nacional. Esta opção ao longo do tempo tornou a presença protestante invisível aos olhos da sociedade brasileira.
            Os pioneiros do estudo sociológico e antropológico no Brasil não fizeram ou fizeram poucas referências ao protestantismo brasileiro nascente, para citar apenas alguns exemplos temos Oliveira Vianna (1920), Alceu Amoroso Lima (1931) e Gilberto Freyre (1933) que ao fazerem pequenas inserções em seus textos sobre os protestantes nacionais, o fazem de forma folclórica, como simples curiosidade.
A presença e influência dos protestantes em suas respectivas denominações começaram a serem pesquisadas mais precisamente após o grande crescimento das chamadas denominações pentecostais e mais especificamente os chamados neopentecostais (Universal e seus derivados) na sociedade brasileira e sua grande visibilidade na mídia e participação na política regional e nacional,[1] forçando os centros acadêmicos a dar-lhes atenção como campo crescente de pesquisa sociológica, antropológica e religiosa. Mas o protestantismo histórico ainda permaneceu incubado e somente lentamente foi saindo dos casulos acadêmicos.
Um fator que alavancou a pesquisa no campo do protestantismo histórico foi a criação dos cursos de pós-graduação e mais especificamente os da área de Ciências da Religião. Na medida em que estes polos foram se multiplicando no Brasil a produção acadêmica tomou um novo e continuo impulso.
Uma das primeiras e provavelmente pioneira produção acadêmica dentro das normas da pesquisa cientifica sobre o protestantismo no Brasil foi a do professor Leonard “O protestantismo brasileiro, estudo de eclesiologia e historia social”, cujo subtítulo revela o escopo e a orientação do autor, onde ele procura relacionar o crescimento do protestantismo no Brasil com diversos fenômenos sociológicos brasileiros e desta forma caracterizar algumas das funções sociais do protestantismo e de suas variadas modalidades.
O historiador francês Guillaume Jules Émile Léonard,[2] nome completo, mas conhecido amplamente na historiografia protestante brasileira como Émile Léonard, chega ao Brasil no final da década de 1940 a convite da Universidade de São Paulo (USP), recomendado por Lucien Febvre e Fernand Braudel para lecionar História da Civilização Moderna e Contemporânea, ocupando a cadeira de História da Faculdade de Filosofia, Ciências e letras de 1948 a 1950, cadeira ocupada anteriormente por Fernand Braudel, que aqui estivera em seu segundo período de maio a dezembro de 1947. Tinha ele uma motivação pessoal para atravessar o grande Atlântico em direção ao sul, pois desejava conhecer o protestantismo brasileiro para aprofundar suas pesquisas sobre a expansão da Reforma nas diferentes partes do mundo.
E o protestantismo brasileiro não lhe oferecia apenas um tema de investigação, um campo relativamente virgem de pesquisa. Oferecia-lhe algo mais: oferecia-lhe uma espécie de viveiro de experimentação, um flagrante, por assim dizer, do processo histórico. Desde 1921 — como se deduz da lista de publicações suas — vinha êle reunindo elementos para realizar uma grande interpretação da Reforma na França. O panorama atual do protestantismo francês, distante quatro séculos do ambiente da Reforma, oferecer-lhe-ia problemas constantes de interpretação dos fatos. A introdução do protestantismo no Brasil é de ontem: a obra congregacionalista data de 1855, a presbiteriana, de 1859. O catolicismo brasileiro do fim do século passado assemelhava-se ao europeu do século XVI. Ainda hoje, em muitos pontos do Brasil, se vivem e se reproduzem os choques, as polémicas, as reações, as perseguições religiosas, da segunda metade do século passado. Êsse ambiente seria muito parecido com aquêle em que se operou a Reforma do século XVI (Prefâcio da primeira edição de 1965-ASTE).
Apesar do exímio tempo que permaneceu no país o eminente professor empreende uma ampla pesquisa de campo e em arquivos nas denominações protestantes, bem como a leitura bibliográfica da história do Brasil e do protestantismo aqui estabelecido, de modo a estabelecer os subsídios necessários para elaborar sua obra acima referida. Inicialmente sua pesquisa foi editada e publicada em oito números da Revista de História da USP (nºs 5 a 12),[3] de janeiro de 1951 a dezembro de 1952 e somente reunido em livro no ano de 1963 (dois anos após a morte dele).[4]
Ele inicia seu trabalho delimitando suas fontes, discorrendo pelo estabelecimento das primeiras missões estrangeiras, passando pelas reações dentro do catolicismo hegemônico até então vigente no Brasil, sem deixar de expor os problemas eclesiásticos ocorridos no interior do próprio protestantismo estabelecido aqui em forma das múltiplas denominações exportadas de suas matrizes americanas.
Como mencionado o pioneirismo de seu trabalho esta no fato de que ele evita as narrativas hagiográficas até então vigentes na historiografia protestante brasileira e municia-se de uma rigorosa pesquisa documental e da aplicação de um método de investigação histórico próprio a um trabalho científico.
Como estrangeiro, francês, e ligado a uma instituição acadêmica não confessional (USP), portanto sem vínculo denominacional, Leonard estava completamente livre para empreender não apenas uma mera reconstituição da implantação e expansão do protestantismo no Brasil, mas também para fazer uma análise de seus aspectos positivos e negativos.
A multiplicidade de denominações evangélicas, com suas estratégias e atividades distintas, antes de ser um aspecto positivo, acabam por se torna um problema a ser administrado permanentemente, pois os atritos tornam-se inevitáveis na prática missionária. Um exemplo é o fato de que os presbiterianos possuem duas agências missionárias atuando simultaneamente no país, uma de origem sulista e outra de origem nortista e que em diversas ocasiões expõem as diferenças de suas missões pátrias advindas da chamada Guerra de Secessão.
A formação da membresia dessas comunidades protestantes iniciais é formada não apenas pelas camadas sociais menos favorecidas, mas também atraem intelectuais e aristocratas. Ele percebeu também dado as dimensões continentais e desproporcionais do país, somados ao numero defasado de missionários e pastores, que foram surgindo ao longo dos anos diversas comunidades evangélicas autônomas sem qualquer influência das lideranças das igrejas estabelecidas.
Especifica algumas das crises internas e cisões das jovens denominações protestantes (como a divisão da igreja presbiteriana em virtude do debate a respeito da questão da maçonaria); visitou e observou com muita atenção a Igreja Evangélica Brasileira (IEB), decorrente da ruptura de uma liderança presbiteriana, Miguel Vieira Ferreira, então presbítero dessa igreja, mas que acabou fundando uma nova tradição religiosa, que naquele momento de sua pesquisa estava em processo de reinterpretação de suas origens; expõe a contínua reação católica, sobretudo na República, tendo como propósito salvaguardar seu espaço de atuação e sua posição de religião hegemônica; por fim tece algumas considerações sobre o pentecostalismo que ainda estava iniciando sua expansão nos grandes centros urbanos brasileiro.
A obra de Léonard, portanto, permanece um referencial a pesquisadores do tema, tanto pelas preciosas informações que contém como também, conforme ressaltado, pelo seu pioneirismo enquanto projeto historiográfico sobre o protestantismo.


LÉONARD, Émile-Guillaume. O protestantismo brasileiro:
estudo de eclesiologia e de história social .
Tradução de Camargo Schützer,
2ª edição. Rio de Janeiro e São Paulo, JUERP/ASTE, 1981. 354 p.


Utilização livre desde que citando a fonte
Guedes, Ivan Pereira
Mestre em Ciências da Religião
me.ivanguedes@gmail.com
Outro Blog
Reflexão Bíblica
http://reflexaobiblica.spaceblog.com.br/

Artigos Relacionados
RESENHA: Os Pioneiros Presbiterianos do Brasil (1859-1900)
As Mulheres no Presbiterianismo Brasileiro: Elizabeth Wiggins Simonton http://historiologiaprotestante.blogspot.com.br/2018/04/as-mulheres-no-presbiterianismo.html
A Implantação do Protestantismo Dentro da Moldura do Movimento Romantista Brasileiro
Protestantismo no Brasil: Atuações Econômicas de James Cooley Fletcher
O Brasil pelo Prisma Protestante (J. C. Fletcher)
Inserção do Presbiterianismo no Brasil
O Trabalho Desenvolvido por Ashbel Green Simonton e Seus Companheiros
O Protestantismo na Capital de São Paulo: A Igreja Presbiteriana Jardim das Oliveiras.

 


[1] Desde os anos 50, o Pentecostalismo cresce muito no Brasil. Mas sua expansão acelera-se acentuadamente a partir da década de 1980, momento em que esse movimento religioso passa a conquistar igualmente crescente visibilidade pública, espaço na tevê e poder político partidário. Segundo os Censos Demográficos do IBGE, havia 3,9 milhões de pentecostais no Brasil em 1980, 8,8 milhões em 1991 e 17,7 milhões em 2000.
[2] A família de Léonard vem da forte tradição huguenote e seus antepassados constam nos arquivos de Genebra – que, no século 18, recebeu muitos refugiados franceses.
[3] O Prof. Dr. Eurípedes Simões de Paula abriu-lhe as páginas da Revista; o Prof. Lineu de Camargo Schiitzer deu-se ao trabalho de traduzir as 315 páginas em que se converteu o seu original, distribuídos ao longo das oito edições consecutivas.
[4] Sua monumental obra histórica do protestantismo - Histoire Générale du Protestantisme (Paris, 1961-1964; reeditada em 1988), perfazem quatro volumes que totalizam 1937 páginas. Torna-se imprescindível ao estudo do protestantismo, uma obra amadurecida ao longo de mais de vinte anos de uma carreira dedicada à pesquisa e ao recolhimento de material sobre o protestantismo em diferentes partes do mundo. Suas fontes pesquisadas incluem textos em inglês, espanhol, português, italiano, holandês, alemão e latim, tendo sido traduzida para o inglês, espanhol e italiano, lamentavelmente nunca para o português.

Nenhum comentário:

Postar um comentário