Translate

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Protestantismo: Breve História dos Movimentos de Juventude Protestante Mundial (1844-1910)[1]




Protestantismo: Breve História dos Movimentos de Juventude Protestante Mundial (1844-1910)[1]
Os vários movimentos de juventude protestantes surgidos a partir da segunda metade do século XIX na Europa e nos Estados Unidos tiveram um impressionante impacto na sociedade de seu tempo. Capazes de mobilizar milhares de jovens, a influência deste movimento se internacionalizou ganhando os Continentes. Já em fins do século XIX e início do século XX, ele atingia a América Latina e o Brasil. Portadores de novas sociabilidades, mais dinâmicas do que as Igrejas protestantes tradicionais onde as lideranças leigas nem sempre eram aproveitadas, estes movimentos foram atuantes em duas esferas de ação: de maneira interna, comunitária, eles se inseriram nas sociedades protestantes tradicionais não sem encontrar resistência; de forma mais independente ele resultou na criação de instituições religiosas sem vínculo denominacional, as chamadas para-eclesiásticas, ecumênicas e proselitistas as quais constituíam- se em espaços privilegiados para a expressão cúltica, mais apropriada aos jovens, com ritmos e liturgia próprios. Neste sentido, as para-eclesiásticas inovaram a vida litúrgica das igrejas ao introduzirem o uso de instrumentos musicais outros que o órgão e hinários tradicionais das igrejas protestantes, o emprego de instrumentos acústicos ou elétricos como o violão, guitarra, baterias, etc., ainda que a maioria dos cânticos empregados estivesse sob a influência norte-americana. Logo, os movimentos foram assimilados pelas comunidades protestantes ou então constituíram o motivo de sua dissidência.
Um dos pioneiros movimentos de juventude protestantes criados e ainda em atividade foi o ilustre Young Men’s Christian Association (Associação Cristã de Moços - ACM), fundada por George Williams, em 1844. Depois de implantadas em vários países do mundo, seus membros, a maioria formada de estudantes universitários organizaram, em 1895, uma outra sociedade, a Federação Universal de Associações Cristãs de Estudantes (FUACE). O movimento contou com a impulsão do metodista e prêmio Nobel da paz John R. Mott (1865-1958) e de Karl Fries.
Outro importante movimento de juventude foi a Aliança Mundial das Uniões Cristãs (AMUC). Com seu sistema federativo agrupado ao redor da Base de Paris, em 1855, se constituiu das uniões locais e nacionais masculinas e femininas se implantando em grande numero de países e conta, atualmente, com milhões de membros.
O movimento de escoteiros, fundado em 1907-1908 por Robert Stephenson Baden-Powell, tinha por objetivo influenciar a mocidade inglesa no plano moral, intelectual, físico e cívico com os valores do Evangelho. Inspirados pelo exemplo protestante outros movimentos liderados por leigos, católicos e judeus deram uma dimensão mundial ao movimento.
Depois da Segunda Guerra mundial os movimentos de juventude protestantes incorporam uma práxis de tipo missionária como a Ação de Jovens por Cristo (AJC); Campus para Cristo (CC), Operação Mobilização (OM), Inter-Varsity Christian Fellowship, Jovens em Missão, Grupos Bíblicos colegiais e universitários. Estes movimentos conversionistas possuíam como principal estratégia a evangelização pessoal assim como a edificação espiritual seguida por uma formação bíblica.
Na América Latina duas influencias principais foram precursoras na criação das sociedades de jovens protestantes: a Associação Cristã de Moços e Mulheres (YMCA e YWCA) e o Esforço Cristão. Enquanto que a primeira se centrava em atividades religiosas e culturais ligadas á prática do esporte e do ensino do inglês com uma liderança independente das igrejas protestantes, a segunda atuava no interior das igrejas procurando o desenvolvimento de um autêntico espírito cristão. A A.C.M. teve uma inserção bastante precoce no Cone Sul, sob a influência da sessão inglesa (Buenos Aires, 1874; Rio de Janeiro, 1875; Valparaiso, 1883). Somente mais tarde, sob influência norte-americana, ela atingiria São Paulo, 1839; México, 1904, Cuba, 1905 e Porto Rico, 1909. Em 1940, quando o uruguaio Humberto Grassi foi eleito secretário da Federação Sul Americana, a A.C.M. contava com aproximadamente 42 mil membros. Igualmente de origem norte-americana, o Esforço Cristão possuía 200 associações, a maioria delas pouco dinâmicas o que levou à união das federações argentina, chilenas e uruguaias á formação de uma organização regional, a partir de 1934. Esta resultou na criação, em 1941, em Lima, da União Latino-americana de Jovens Evangélicos (ULAJE). O Congresso adotou o tema: Com Cristo, um Mundo Novo. Este novo movimento preocupava-se com os problemas atuais e, numa ação ecumênica condenaram o “atual sistema capitalista fundado na opressão e na ilegalidade econômica”, reivindicavam a "implantação de um sistema econômico de cooperação” (Bastian, 1994: 178). No Brasil, a Associação Cristã de Moços (A.C.M.) desenvolveu-se graças à propaganda do presbítero Myron Clark, delegado especial da instituição no país. Assim, a primeira sociedade de jovens protestantes brasileiros, a Associação Cristã de Moços (A.C.M.) foi organizada no meio presbiteriano e metodista paulistano em 1865. A experiência ecumênica não se limitou à organização da A.C.M. Em São Paulo, o exemplo dado pela união da presbiteriana com a metodista foi seguido pela Sociedade de Obreiros Cristãos. Esta promovia reuniões de propaganda, sendo composta de elementos de várias igrejas. Sua diretoria constitui-se em julho de 1895 na ordem que segue: Antônio P. Passos, Benedito Vieira, José Bento Dias Ferraz, João da Silva Pereira, John Barton.
A segunda influência precursora na criação de sociedades de jovens protestantes brasileiros foi a sociedade denominada Esforço Cristão (Ferreira, 1959). A sociedade pioneira foi fundada pela missionária americana Clara Hough, em Botucatu, no ano de 1891. Em 1898, surgiu, em Curitiba, uma outra sociedade inspirada no Esforço Cristão e do Christian Endeavor fundada pela missionária norte-americana Elmira Kuhl. O medico R. W. Fenn veio, em 1900, ocupar no Brasil, o cargo de secretário geral do moviintento. Dois anos mais tarde uma Convenção Nacional se reuniu em São Paulo formando a União Brasileira de Esforço Cristão, sob a presidência de Erasmo Braga. Em 1907, Francis E. Clarck, fundador da sociedade esteve presente na terceira convenção da União Brasileira de Esforço Cristão, onde organizou, no Rio de Janeiro, a União Sul Americana. Os presbiterianos Erasmo Braga, Adolfo Hempel e Eliezer dos Santos Saraiva, foram líderes do movimento na região de São Paulo. Em 1911, o Esforço Cristão contaria com 80 sociedades com cerca de dois mil membros e de um jornal que servia de propaganda do movimento. Em 1925, organizou- se no Colégio Grambery a União de Estudantes para o Trabalho de Cristo (UETC), transformada posteriormente em União Cristã de Estudantes do Brasil (UCEB). Sob a influência da A.C.M. e do Esforço Cristão paulatinamente o número de sociedades de jovens foi crescendo no interior das comunidades protestantes até que praticamente todas elas já possuíam uma sociedade deste tipo. Nas décadas de 1930 e na seguinte, a Igreja Presbiteriana Independente dominou o movimento em âmbito ecumênico. Este contou com a orientação do pastor Eduardo Pereira de Magalhães, parente do ilustre pastor Independente Eduardo Carlos Pereira. Este período pode ser considerado como o do início do processo de nacionalização do movimento de jovens protestantes no Brasil.

Cronologia das Principais Datas do Movimento Mundial de Jovens Protestantes
1844- Fundação da Young Men’s Christian Association, por George Williams.
1855- Criação da Aliança Mundial das Uniões Cristãs.
1895- Emergência da Federação Universal das Associações Cristãs de Estudantes criada pelo metodista John Raleigh Mott (1865-1955) e de Karl Fries. Surge um movimento ecumênico denominado Sociedade de Obreiros Cristãos.
1908- Aparição do Movimento de Escoteiros fundado em 1908 por Baden-Powell.
1839 - Fundação, em São Paulo, da Yong Men’s Christianity Association (YMCA) e da Yong Woman’s Christianity Association (YWCA) influência da sessão norte-americana.
1865 - Organização da (A.C.M.) no meio presbiteriano e metodista paulistano.
1875 - Rio de Janeiro, Fundação da Yong Men’s Christianity Association (YMCA) e da Yong Woman’s Christianity Association (YWCA) influência da sessão inglesa. Fundação, em São Paulo, do Movimento Esforço Cristão por Francis E. Clarck.
1891- Fundação de uma sociedade de jovens inspirada no Esforço Cristão pela missionária americana Clara Hough, em Botucatu.
1898 - Surge em Curitiba uma outra sociedade inspirada no Esforço Cristão e do Christian Endeavor fundada pela missionária Elmira Kuhl.
1900 - O médico R. W. Fenn vem ocupar no Brasil o cargo de secretário geral do movimento Esforço Cristão.
1902 - Convenção Nacional se reúne em São Paulo formando a União Brasileira de Esforço Cristão, sob a presidência do presbiteriano Erasmo Braga.
1907 - Rio de Janeiro, terceira Convenção da União Brasileira de Esforço Cristão. Organização da União Sul Americana.
1925 - Organização no Colégio Grambery da União de Estudantes para o Trabalho de Cristo (UETC), transformado posteriormente em União Cristã de Estudantes do Brasil (UCEB).
Organização do primeiro Congresso Nacional da Juventude Evangélica, sob a orientação do pastor da Igreja Presbiteriana Independente Eduardo Pereira de Magalhães. O mesmo, depois de artigos que publicou em jornais evangélicos criou o Comitê de jovens de São Paulo. Este resultou na criação da Federação da Mocidade da Igreja Presbiteriana Independente, em uma série de Congressos regionais de jovens, na Associação de Retiros Espirituais para a Mocidade, e no jornal Bandeirante Cristão.
1936    - Ainda sob a influência de Eduardo Pereira de Magalhães surge o livro Apreciação e Diretrizes concebido no Congresso Evangélico que impulsiona a obra entre sociedades protestantes de jovens no plano ecumênico.
1937    - Instalação da sede da A.C.M à rua Santo Antônio, São Paulo, sob a presidência do médico Flaminio Fávero, ex-diretor da Faculdade de Medicina e presbítero da segunda Igreja Presbiteriana independente.
1938- Primeiro Congresso Nacional da Mocidade Evangélica, Rio dc Janeiro, realizado na Igreja Fluminense e patrocinado pela Confederação Evangélica do Brasil (CEB).
1940 — Eleição do uruguaio Humberto Grassi, secretário da Federação sul-americana da Associação Cristã de Moços (A.C.M.).

Utilização livre desde que citando a fonte
Guedes, Ivan Pereira
Mestre em Ciências da Religião.
Universidade Presbiteriana Mackenzie
me.ivanguedes@gmail.com
Outro Blog
Reflexão Bíblica
http://reflexaobiblica.spaceblog.com.br/


Referências Bibliográficas
ALVES, Rubem. Protestantismo e Repressão. São Paulo: Ática, 1979.
_____________ (Org.) De Dentro do Furacão, Richard Shaull e os Primórdios da Teologia da Libertação. São Paulo: CEDI, 1985.
BRAGA, Erasmo de Carvalho. Pan-Americanismo: aspecto religioso. Nova York: Missionary Education Movement of the United States and Canada, 1917. [Digitized by the Internet Archive in 2014]
BRAGA, Erasmo; GRUBB, Kenneth. The Republic of Brazil: A Survey of the Religious Situation. London: World Dominion Press, 1932.
FERREIRA, Júlio Andrade. História da Igreja Presbiteriana do Brasil, vol. 1 e 2, 2ª ed. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 1992.
GUEDES, Ivan Pereira. O protestantismo na cidade de São Paulo – presbiterianismo: primórdios e desenvolvimento do presbiterianismo. Alemanha: Ed. Novas Edições Acadêmicas, 2013.
MATOS, Alderi S. Erasmo Braga, o protestantismo e a sociedade brasileira – perspectivas sobre a missão da igreja. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2008.
MOURA, Enos. Do baú do Enos pai. 1ª ed. São Paulo: PoloBooks, 2018. 364p.
PEREIRA DE MAGALHÃES, Eduardo. Reconstrução da Ordem Social: A Mocidade e o Problema Social, 1941.
PIEDRA, Arturo. Evangelização protestante na América Latina – análise das razões que justificaram e promoveram a expansão protestante (1830-1960). São Leopoldo: Editora Sinodal; Equador: CLAI, 2008.
SHAULL, Richard. Somos uma comunidade missionária: oito estudos de preparação para o testemunho. Secretaria Geral da Mocidade da Confederação da Mocidade Presbiteriana. São Paulo: Imprensa Metodista, 1957.
SILVA, Hélerson, MOURA, Enos e MORAES, Mônica. Eu faço parte desta história. São Paulo: CEP, 2002. [Secretaria de Cultura – Comissão de História da Mocidade – da Confederação Nacional da Mocidade da Igreja Presbiteriana do Brasil].

Artigos Relacionados
O Protestantismo na Capital de São Paulo: A Igreja Presbiteriana Jardim das Oliveiras.
Protestantismo um Estudo de Caso: Apogeu e Declínio da Juventude Presbiteriana (50/60)
Protestantismo: Juventude Presbiteriana - Willie Humphreys Gammon (Billy Gammon)
Quando o Protestantismo Brasileiro Foi Inserido no Contexto Internacional https://historiologiaprotestante.blogspot.com/2017/09/quando-o-protestantismo-brasileiro-foi.html
A Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB) e o Conselho Mundial de Igreja (CMI) https://historiologiaprotestante.blogspot.com/2016/05/a-igreja-presbiteriana-do-brasil-ipb-e.html
Que estou fazendo se sou cristão: Música de Protesto ou Evangelho?
As Mulheres no Presbiterianismo Brasileiro: Elizabeth Wiggins Simonton



[1] Texto extraído do livro “Eu faço parte desta História” cf. referências bibliográficas. Os destaques são meus.

terça-feira, 19 de junho de 2018

Resenha: Do Baú do Enos Pai (compartilhando a História do Protestantismo Brasileiro)



            Poucos sãos as pessoas que tem a oportunidade de escrever sua própria história. O velho diário, como a da menina judia Anne Frank e o do missionário presbiteriano A. G. Simonton foi e ainda continua sendo uma ferramenta preciosa para se registrar os acontecimentos marcantes da vida, mas os brasileiros não incorporaram essa cultura e raríssimos entre nós tem esse zelo literário. A nossa tradição histórica sempre foi a transmissão oral, de maneira que ouvimos e repassamos o nosso conhecimento histórico através dos “causos” que avós e pais nos relatam ao redor da mesa, a televisão já tinha roubado grande parte dessa cultura e com a “inclusão (invasão) digital” perdemos definitivamente essa extraordinária cultura oral e caímos no silêncio da ignorância. Os brasileiros correm seriamente o risco de se tornarem pessoas sem história.
            A importância do livro de Enos Moura (pai) como ele gosta de frisar, é uma dessas raras oportunidades de adquirirmos conhecimento histórico através dos “causos” por ele compartilhado, graças a Deus na forma escrita, ainda que passar horas conversando com ele seja algo além de prazeroso bastante interessante e instrutivo para aqueles que são apaixonados pela história de forma geral e em particular do protestantismo no Brasil.
Enos é uma testemunha ocular viva de quase cem anos da história protestante brasileira e por sua origem nordestina ele nos proporciona uma rara oportunidade de tomarmos conhecimento de fatos e personagens do protestantismo pioneiro, ou seja, na sua implantação e consolidação no país. O seu amigo e historiador Alderi de Matos sintetiza na orelha a importância desse livro: “É palpitante acompanhar a caminhada de sua família por várias gerações, desde os bisavôs já distantes no tempo, passando pelo avô e pelo pai pastores e por uma infinidade de outros personagens que marcaram, e marcam ainda hoje, a sua peregrinação”.
Sublinhei a expressão “infinidade de outros personagens” porque realmente expressa a riqueza do conteúdo deste Baú crônico-historiográfico. Em cada uma de suas crônicas o autor vai abrindo o leque e nos apresentando os mais diversos personagens que demarcaram a historiografia protestante brasileira nos últimos oitenta anos. Ele teve contato pessoal desde missionários pioneiros como o Rev. John Rockwell Smith até aqueles que ainda hoje continuam influenciando a história do presbiterianismo brasileiro como o Rev. Roberto Brasileiro, atual presidente do Supremo Concilio.
Enos é privilegiado, pois participou indireta e diretamente dos grandes movimentos intestinos do presbiterianismo brasileiro. Apesar de serem em forma de crônicas, curtas bem ao gosto popular brasileiro, ele polvilha em cada uma delas informações precisas e vivenciais destes movimentos. Não se omite em expressar suas opiniões e contestações dos fatos por ele registradas, pois esse sempre foi seu jeito de vivenciar sua fé e defender seus pontos de vistas, mas que torna a leitura dos textos instigante e reflexivos.
Outro aspecto peculiar é o fato de que grande parte de sua vida e, portanto dos textos aqui apresentados é pela ótica do leigo, visto que sua ordenação, que merece um adendo à parte, ocorre apenas em 1980 aos 36 anos de idade, de maneira que trabalhando em diversas empresas, sendo que por 25 anos na EMPETUR (Empresa de Turismo de Pernambuco) e tendo a oportunidade de viajar por diversos países adquiriu uma cosmovisão muito além de uma eclesiologia feudal, o que lhe proporcionou a capacidade de interagir de forma positiva com os mais diversos segmentos social-político-eclesiástico do período histórico por ele aqui abordado.
Dentre todas as suas múltiplas atividades eclesiásticas ao longo de sua vida, certamente sua atuação na e junto a juventude presbiteriana é a mais marcante. Desde seus doze anos (1956) ele participa efetivamente da caminhada da mocidade presbiteriana (União de Mocidade Presbiteriana-UMP). Participou do apogeu do trabalho da juventude presbiteriana, sofreu terrivelmente com o fechamento da Confederação Nacional pelo Supremo Concílio (maio de 1960 – portanto, antecedendo o Golpe Militar no país) e pela qual gastou e se deixou gastar pela reorganização da Nacional dos jovens presbiterianos que somente veio a ocorrer em 1986 com a realização do “X Congresso Nacional da Mocidade Presbiteriana”, ou seja, 26 anos depois.  Durante esses anos e ainda hoje na maturidade de seus mais de oitenta anos, Enos continua interagindo com a Mocidade Presbiteriana. Ele compartilha conosco nessas crônicas todos esses movimentos internos da juventude presbiteriana e proporcionando uma oportunidade para refletirmos sobre o que fomos e o quanto estamos longe de sermos aquilo que já fomos um dia.
A questão de sua ordenação na IPB ocupa três crônicas e realça a forma retrógada do pensamento presbiteriano no período pós-regime militar. Ele havia concluído o curso teológico, iniciado no Seminário Teológico Presbiteriano de Recife, mas concluído em São Paulo na Faculdade de Teologia da Igreja Episcopal do Brasil em 1969. Foi encaminhado pelo Conselho da IPB Ebenézer ao Presbitério Norte de São Paulo, que se reuniria em um sítio em Mogi das Cruzes. No transcorrer da reunião conciliar um bilhete assinado por dois “conceituados” pastores cujo teor era “Não ordenem esse rapaz, ele é perigoso” e essa alcunha foi suficiente para impedir sua ordenação na IPB. Em 1980, em um encontro com o Rev. Mozart Noronha então moderador da Assembleia Geral da Igreja Cristã de Confissão Reformada, com sede no Rio de janeiro, foi convidado por este para se apresentar como candidato e ser ordenado por essa denominação protestante. Após cumprir todos os requisitos eclesiásticos exigidos pelo Concílio sendo aprovado foi ordenado no sábado dia 23 de novembro de 1980, tendo a parênese pelo Rev. Jonas Neves Rezende, tendo o templo da Igreja Cristã de Ipanema repleta como testemunha e tendo o Rev. Rubem Alves participando da cerimônia colocando-lhe a Estola Sacerdotal. Pouco tempo após foi recebido por transferência na IPB através do Presbitério de Pernambuco e foi fazer parte do colegiado de pastores da IPB das Graças, após longos onze anos entre a formação teológica e a ordenação.
Minhas duas últimas observações sobre esse “Baú” é que as crônicas são concisas e em uma linguagem extremamente agradável tanto para aqueles que não são da área de história, mas certamente preciosa e bastante útil para todos aqueles que estudam a história do protestantismo brasileiro e particularmente aos presbiterianos, que haverão de adquirir um vasto conhecimento da intimidade dessa denominação do protestantismo histórico nacional. Quem dera os pastores e membros da IPB lessem esse “Baú” e fizessem um exercício de reflexão histórica aprendendo com seus erros e acertos para virmos a ser uma igreja melhor e mais coerente com os princípios evangélicos que teoricamente tanto zelamos (lembrando que os fariseus e escribas eram os zeladores da Torá nos dias de Jesus).
Minha última nota e propositalmente deixei para o final são as dezenas e provavelmente uma centena de fotos e imagens preciosas para qualquer historiador ou curioso dos fatos concorridos no protestantismo brasileiro ao longo de quase um século. De todas destaco apenas duas fotos que são bastante representativos da relevância de todas as demais imagens contidas nesse precioso “Baú do Enos”. A primeira esta na página 177 e trás o cinquentagenário Rev. Harold Cook examinando com uma lupa se a secretária havia marcado corretamente o seu voo de retorno, após participar do Supremo Concílio reunido em Recife em julho de 1978. A segunda imagem é o momento de sua ordenação quando o então excluído do rol de membros da IPB e exilado político Rev. Rubem Alves lhe coloca a Estola Sacerdotal em 1980 (p. 193).
E para aqueles que desejam conhecer o desenvolvimento das atividades da juventude presbiteriana, principalmente após a reativação da sua Confederação Nacional, encontrará nesse “Baú” preciosas informações de quem não apenas ouviu falar, mas por alguém que vivenciou e continua vivenciando intensamente as atividades da juventude presbiteriana no Brasil.

MOURA, Enos. Do baú do Enos pai. 1ª ed. São Paulo: PoloBooks, 2018. 364p.




Bibliografia do Autor
MOURA, Enos. Do baú do Enos pai. 1ª ed. São Paulo: PoloBooks, 2018. 364p.
____________. Do amor por uma Tocha. Edição do autor, 2016.
SILVA, Hélerson, MOURA, Enos e MORAES, Mônica. Eu faço parte desta história. São Paulo: CEP, 2002. [Secretaria de Cultura – Comissão de História da Mocidade – da Confederação Nacional da Mocidade da Igreja Presbiteriana do Brasil].

Artigos Relacionados
O Protestantismo na Capital de São Paulo: A Igreja Presbiteriana Jardim das Oliveiras.
Protestantismo um Estudo de Caso: Apogeu e Declínio da Juventude Presbiteriana (50/60)
Protestantismo: Juventude Presbiteriana - Willie Humphreys Gammon (Billy Gammon)
Que estou fazendo se sou cristão: Música de Protesto ou Evangelho?
As Mulheres no Presbiterianismo Brasileiro: Elizabeth Wiggins Simonton
O Centenário do Presbiterianismo no Brasil
A Implantação do Protestantismo Dentro da Moldura do Movimento Romantista Brasileiro

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Protestantismo: Juventude Presbiteriana - Willie Humphreys Gammon (Billy Gammon)



“São estes apenas alguns dos pontos culminantes que vimos nesta rápida viagem — exemplo do que a mocidade organizada está realizando com o emprego de suas energias e talentos no trabalho do Mestre, — e que mais uma vez e mais do que nunca nos encheu de esperanças para q futuro de nossa pátria e da igreja”.
O trecho faz parte de um artigo de Billy Gammon no jornal Mocidade

A História do Protestantismo apesar do esforço que se tem feito nas duas ou três décadas ainda continua sendo quase que totalmente desconhecida. Apenas a ponta desse iceberg histórico protestante tem sido explorada, pouco ou quase nada, além disso.
No que tange ao presbiterianismo, um dos pioneiros ramos do protestantismo transplantado para o Brasil no final dos oitocentos, portanto, a mais de cento e cinquenta anos, não é uma exceção, mas ratifica a regra. E o mais agravante é que mesmo o pouco que tem sido pesquisado permanece escondido nas estantes, muito bem organizada e cuidada, das Universidades onde foram elaboradas para obtenção de graus de mestrado e doutorado de seus autores. Alguns temas conseguem atrair atenção das respectivas denominações, mormente temas que não exponha suas contradições, e são editadas. Todavia, essas obras acabam tendo um preço inibidor para os leitores populares e permanecem leituras “pastorais” ou dos iniciados nas academias universitárias. Nenhuma editora denominacional tem uma politica de literatura a baixo preço de modo a facilitar aquisição literária por parte da população menos favorecida; nenhuma dela tem uma politica de divulgação e incentivo à leitura voltada para as crianças, adolescentes e jovens semianalfabetos desta geração plugada nas mídias sociais, mas completamente alienadas do universo literário. Essas editoras denominacionais como todas as demais, precisam gerar lucros, caso contrário sem qualquer pudor elas terão encerradas suas atividades.
O desconhecimento de suas respectivas histórias, tanto nos aspectos positivos quanto negativos, empobrecem a capacidade pensante dos milhares de membros e suas respectivas lideranças. A história foi e continua sendo a melhor forma de exercitar a capacidade reflexiva das pessoas. Mas como acontece no contexto politico brasileiro, fica cada vez mais evidente que também não há interesse por parte dos comandos denominacionais que seus “irmãos” e “irmãs” sejam capazes de pensar por si mesmas. Alguns aspectos históricos denominacionais precisam permanecer no “esquecimento”, não por vergonha ou pudor, mas simplesmente porque podem despertar o interesse dos seus membros para temáticas “nocivas” e fomentar ações “perigosas” para o status quo denominacional, que tão arduamente tem sido estabelecido ao longo destas últimas décadas. E para aqueles que insistem em revolver velhos esqueletos, a porta da frente está sempre aberta para sairem e procurarem outros espaços religiosos ou acadêmicos, que sempre foi a forma mais simples e fácil de tratar estas situações “constrangedoras”. A jovem história do protestantismo no Brasil é um testemunho permanente desta forma de se tratar assuntos incômodos e contraditórios – a dissensão e ruptura eclesiástica, ou a simples saída dos inquietadores.
Uma das marcas distintivas das historiografias eclesiásticas oficiais é que seus temas e conteúdos devem sempre se harmonizar com o projeto eclesiástico oficial. Nada que possa arranhar ou insinuar algo diferente do que se estabeleceu na ortodoxia denominacional será aceita e produzida. Isso não significa que a historiografia oficial seja descartável como fonte histórica e nem se insinua aqui que os fatos ali registrados são falsificados ou distorcidos. Isto não se faz necessário, pela simples razão, de que nada será produzido que possa trazer qualquer constrangimento eclesiástico. A seleção de temas e personagens a serem abordados nesse tipo de historiografia é cuidadosa e exaustivamente selecionada, de maneira que sempre se produzira uma história concordante com o pensamento predominante denominacional.
A jovem missionária brasileira estadunidense Willie Humphreys Gammon, mais conhecida pelo diminutivo carinhoso de Billy Gammon, é uma entre centenas de outras figuras históricas, que foram lançadas no limbo historiográfico presbiteriano e do protestantismo brasileiro oficial.[1] Uma razão para ser “escondida” é o fato de que viveu e atuou no contexto conturbado das décadas 50/60. Ela como a maior parte da liderança de juventude deste período foi alijada por uma forte repressão institucional, como nunca visto antes e como não repetido até os dias atuais. A reação institucional eclesiástica foi na mesma proporção do tamanho imenso do movimento da juventude presbiteriana e protestante que se espalhou por todos os rincões brasileiros, nos grandes centros urbanos, mas também nas cidades periféricas e mesmo nos vilarejos interioranos brasileiros.
Ela nasceu em Lavras, Minas Gerais, em 1° de julho de 1916. Filha de Samuel Rhea Gammon[2] e Clara Gennet Moore Gammon,[3] missionários de origem estadunidenses que dedicaram suas vidas ao Brasil, completou na sua cidade natal os cursos primário (Escola Carlota Kemper) e secundário (Instituto Gammon).
Em 1987 terminou o curso superior nos Estados Unidos (St. Andrews Presbyterian College, North Carolina), com bacharelato em Letras. Na Drew University (Madison, New Jersey), em 1940, obteve o mestrado em Educação com a tese Contribuição dos colégios evangélicos para o desenvolvimento da educação no Brasil e, em 1971 (Universidade de Virgínia), tirou o grau de mestre em literatura americana com o tema The Brazilian poetry of Elizabeth Bishop — the growth of sympathy.
Billy Gammon completou sua formação com vários outros cursos e estágios, no Brasil e no exterior, tanto de especialização no idioma inglês (Universidade de Cambridge, 1966; São Paulo, 1972; Brasília, 1973) quanto em teologia (New York, 1939 e Instituto Ecumênico da Faculdade de Teologia da Universidade de Genebra, 1961).
Sua atividade profissional abrangeu os dois campos nos quais se preparou. Lecionou inglês em várias escolas e, entre 1965 e 1968; e a partir de 1972 ocupou a cadeira de língua inglesa e depois de literatura inglesa e americana no Centro Universitário de Brasília. Seu período de maior atividade no trabalho da igreja vai de 1946 a 1960. Entre 46 e 58 ocupou o cargo de secretária-geral da mocidade presbiteriana do Brasil, sendo responsável pelo planejamento, programação e orientação do trabalho da juventude presbiteriana em todo o país. De 1958 a 1960 trabalhou no Departamento da Mocidade da Confederação Evangélica do Brasil, onde exerceu atividade semelhante, agora em âmbito interdenominacional e ecumênico.
Como resultado de uma vida profissional eficiente e competente, Billy Gammon ocupou outros cargos, em entidades religiosas e seculares e recebeu alguns prêmios e bolsas, tendo ainda participado de vários congressos internacionais no Brasil, nos Estados Unidos e em diversos países da Europa e da América Latina. Foi preletora em diversas conferências no Brasil e no exterior, onde também publicou muitos artigos, destacando se, no Brasil, trabalhos em periódicos tais como o jornal Mocidade, a revista Cruz de Malta, a Revista da Mocidade e o jornal Brasil Presbiteriano, além dos programas para as Uniões de Mocidade, em publicação periódica.  
Influência Familiar
            Ela nasceu em uma família que respirava e aspirava uma fé evangélica protestante, mas também da cultura e inserção na sociedade brasileira. Seu pai Samuel Gammon foi um dos organizadores da União de Estudantes para o Trabalho Cristão em 1926, o primeiro grupo estudantil organizado do Brasil e participou do primeiro grande evento do Protestantismo voltado para América Latina: “Congresso da Obra Cristã na América Latina e/ou Congresso do Panamá” (local em que foi realizado o evento). E sua mãe que além de missionária, professora foi também escritora.      Seus pais iniciaram e mantiveram um dos colégios protestante mais profícuo e que permanece até os dias atuais – Colégio Gammon – um dos pioneiros na implantação de um currículo voltado para agricultura.
            Foi nesta atmosfera de uma amalgama genuína de piedade e cultura que a jovem Billy cresceu e se desenvolveu. Aqui o evangelho não era apenas conhecimento teológico, mas vivencial, expressada diariamente na vida comunitária e convívio fraternal entre missionários e membros da igreja, entre professores e alunos do Instituto e/ou Colégio.
Sua mãe escreveu uma biografia de seu pai e na narrativa compartilha um momento referente às expectativas com relação à pequena Billy:
“Muitas vezes o pai, vendo-a brincar dizia: ‘Que incontáveis possibili­dades não estão envolvidas na vida desta criança!’ Teria sido motivo de imensa satisfação para o pai se soubesse que essa filhinha estava destinada a prestar serviço relevante na Igreja Presbiteriana do Bra­sil. Era a Billy” (GAMMON, 2003. p. 127).
Formação Acadêmica
            Estudou em grandes universidades no exterior, conforme acima citadas, e também no Brasil (USP, UnB). Mas longe de ser uma formação acadêmica homogênea: além da teologia e educação, seu currículo tinha sociologia, artes (dança – sapateado). No Instituto Gammon leciona inglês, música e sapateado, inserindo pela primeira vez a dança no currículo escolar protestante[4].
            Evidente que este tipo de ousadia e novidade reproduziu um forte zunido por parte de muitos lidere eclesiásticos que a retratavam como “modernista” e “mundana”, mas ela sempre teve total e pleno apoio de seus pais e professores do Instituto, que sempre a motivaram.
Atuação Eclesiástica
            A Missão Presbiteriana do Sul dos Estados Unidos (PCUS) assumiu Billy como missionária no Brasil para trabalhar exclusivamente com a mocidade. Em pouco tempo os resultados começaram aparecer e passou a chamar atenção das lideranças presbiterianas. Pela primeira vez na história da IPB uma jovem vai assumir um cargo na direção nacional através da Secretária Geral da Mocidade Presbiteriana do Brasil.
Seu trabalho junto a juventude presbiteriana era intenso e fecundado com uma visão de integração entre a missão da igreja e inserções essência do Evangelho, uma ação cristã alienada da sociedade.
Evidente que Billy encontra uma caixa de ressonância na liderança da juventude presbiteriana que naquele momento se compõe da segunda e terceira geração de protestantes no Brasil e que também estavam sensíveis a um espírito cooperativo entre todos os segmentos evangélicos brasileiros com o intuito de influenciar de forma mais contundente a Sociedade brasileira. Dentre os quais podem ser nomeados os jovens Paulo e Waldo César (fundadores do jornal Mocidade), os netos de Belmiro de Araújo César (primeiro pastor brasileiro do Nordeste), e Paulo Rizzo, neto de Miguel Rizzo,[5] outro líder brasileiro da primeira geração, e que anteriormente a eles já defendiam um evangelho mais atuante e fecundo na Sociedade brasileira.
Pela extensão continental do Brasil Billy viajou mais de 3.500 km, no espaço de apenas um mês, no avião da Missão Presbiteriana, o Arauto do Evangelho, percorrendo as igrejas nos confins de Minas e Bahia, estimulando e organizando as atividades da juventude presbiteriana. De acordo com Paul Pierson, também missionário presbiteriano no Brasil, sob sua liderança, o movimento jovem presbiteriano brasileiro “cresceu de 150 sociedades [UMPs] para 600, com aproximadamente 17.000 membros em 1958” (Picrson, Younger Churchy, p. 214). Billy era então secretária do trabalho da mocidade presbiteriana; e esta viagem, como tantas outras, e tantos congressos, ela realizava com vigor e entusiasmo. O testemunho de Waldo César nos ajuda a compreender a razão de todo esse seu desprendimento e dedicação: “Sua esperança numa juventude que vivesse não só para a igreja, mas para a pátria (que ela cita em primeiro lugar), foi sempre a sua maneira coerente de viver e de esperar”.
Desencontros Eclesiásticos
            Mas os tempos no Brasil estavam mudando rápido e radicalmente. Nos primeiros anos da década sessenta haveria a intervenção militar e as lideranças eclesiásticas protestantes evangélicas dariam respaldo ao governo imposto, de maneira que qualquer pensamento divergente precisava ser extirpado das respectivas denominações, como um câncer necessita ser tirado do corpo para não contaminá-lo completamente.
            Na mesma medida em que Billy conduzia a juventude presbiteriana, organizada de forma nunca vista, tendo na sua Confederação o seu núcleo gerador, para um Evangelho atuante na Sociedade, proporcionalmente as lideranças eclesiásticas presbiterianas se alertavam. O jornal Mocidade era a caixa de ressonância dessa juventude, com seus artigos questionadores da ordem vigente e suas propostas pouco ortodoxas de vivência evangélica. O Rev. João Dias de Araújo, que vivenciou toda essa trajetória ao lado de Billy e que sofreu juntamente os revezes eclesiásticos em decorrência dessa postura, lembra a pauta editorial do jornal:
I. Evangelização; 2. Estruturação do trabalho da mocidade: 3. Pro­blemas sociais - três eram os problemas debatidos amplamente: a. Analfabetismo. O jornal fez uma campanha conclamando os jovens para livrar a pátria deste inimigo - o analfabetismo, b. A guerra, c. Ação Social. 4. Ecumenismo - os jovens se entusiasmaram pelo movi­mento ecumênico. 5. Política - o jornal dava grande importância ao dever de votar nas eleições e combatia fortemente a ditadura que foi implantada por Getúlio Vargas. 6. Recreações - diversão dos jovens crentes. 7. Problemas da Igreja (ARAÚJO, 1982, p. 22-23).
Billy os envolvia em um mundo mais amplo da literatura[6] e Congressos internacionais. O jovem e líder Waldo Cesar e outros três brasileiros participaram do Primeiro Congresso Latino-Americano de Jovens em Havana, Cuba, em 1946. No ano seguinte (1947) Cesar e sete jovens brasileiros de outras denominações foram delegados ao Congresso Internacional da Juventude Cristã em Oslo, patrocinada pela Federação Cristã de Alunos do Mundo. Impactados e transpirando mudanças ao voltarem para o Brasil, eles agem como verdadeiros evangelistas – reproduzindo suas descobertas a partir da Conferência por todo o país.
            Sob a liderança de Billy multiplicava-se os retiros, conferências, seminários e congressos por todo o país. Além da temática bíblico-teológica soma-se os temas sociais tocando nas chagas abertas e pútrida resultantes da política populista de Getúlio Vargas e o desenvolvimentista de Juscelino Kubitschek, ambas as políticas responsáveis diretas pela multiplicação dos bolsões de miserabilidade ao redor dos grandes centros urbanos como São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, incluindo a então recém-inaugurada capital nacional Brasília.
            A juventude presbiteriana atuava fortemente em diversas instituições interdenominacionais como a Confederação Evangélica Brasileira (CEB), a União Cristã de Estu­dantes do Brasil (UCEB),[7] com a Associação Cristã de Acadêmicos (ACAs) e ainda nascente União Nacional de Estudantes (UNE)[8].
            Mas todo esse esforço por mais de uma década estão com seus dias contados. A jovem Paulina Steffen que caminho lado a lado com Billy por esta longa jornada, em depoimento oral, nos oferece uma visão do que estava acontecendo e do que viria acontecer:
Foi Billy, juntamente com Dr. Richard Shaull, quem estruturou e ex­pandiu para todo o Brasil o trabalho de reflexão bíblica e teológica com a juventude presbiteriana e com estudantes cristãos. Ela e Dr. Shaull ensinaram-nos a ler e interpretar a Bíblia. Aprendemos uma outra forma de exegese bíblica e uma metodologia de trabalho reflexi­vo e participativo. Os líderes da Igreja Presbiteriana, o Supremo Con­cílio não apoiavam a atuação da Billy. Os dirigentes da Igreja Presbi­teriana não aceitavam a forma democrática como a Billy lidava com os jovens. Ela tinha uma saúde frágil e trabalhava muito em situação precária. A direção geral da igreja não criou para ela um lugar ade­quado para seu trabalho. Só muito tempo depois, ela conseguiu um espaço, numa sala na Rua Alzira Brandão n° 35, no Rio de Janeiro. Ela fazia relatório de seus trabalhos, mas eles não aprovavam seus relatórios. Ela trabalhou muito. Nós tínhamos um arquivo da mocida­de com todos os jornais encadernados, documentos e atas. Tudo foi destruído (apud, Sinner, Wolff e Bock [Orgs], 2006, p. 34).
Mas as questões envolvendo a Mocidade evoluem rapidamente, documentos começam a subir dos concílios presbiteriais (responsável pela jurisdição das igrejas locais) de diversos lugares do país, para o Supremo Concílio. A exoneração de Billy Gammon da Secretária Nacional de Mocidade foi o primeiro passo para uma intervenção, em seguida vem a censura e encerramento do jornal Mocidade e por fim, a Comissão Executiva, composta pela Diretoria do Supremo mais os presidentes dos Sínodos, reunida em fevereiro de 1960 resolve “reestruturar” (extinguir) a Confederação Geral da Mocidade:
“Quanto ao relatório do Secretário Geral da Mocidade, encaminhando plano de reestruturação da Mocidade, bem como parecer sobre o Departamento Estudantil, a Comissão Executiva resolve: (1) Aprovar o relatório, expressando ao Secretário a apreciação desta Comissão Executiva pelo trabalho assíduo, consciencioso e competente com que orientou a Confederação da Mocidade Presbiteriana. (2) Convocar uma reunião de presidentes de Sínodos e Secretários Sinodais da Mocidade para elaborarem um anteprojeto de reestruturação da Mocidade Presbiteriana do Brasil." (CE-60-01).
Finalmente em 1962 a Confederação Nacional de Mocidade foi extinta oficialmente, as Federações sofreram forte intervenção e as UMPs ficaram restritas às suas atividades religiosas recreativas. Todas as lideranças envolvidas nessa longa trajetória foram afastadas ou simplesmente optaram por sair, permanecendo somente aqueles que ortodoxamente se ajustavam ao pensamento vigente da liderança eclesiástica da IPB.
Sem espaço na IPB Billy trabalhou na Universidade de Brasília na área de Ciências Sociais. Envolveu-se com a Associação Bíblica Universitária (ABU), mas aqui encontra resistência por parte de jovens evangélicos que opõe à participação de jovens católicos e membros da UNE nas reuniões de estudo bíblico. Monitorada permanentemente pelo governo militar foi afastada da UnB, mas continua lecionando agora no Centro de Ensino Universitário de Brasília (CEUB) e atuando em diversos projetos sociais.
Billy continuou seu trabalho ecumênico, lutou pela unidade dos cristãos e por uma igreja cristã mais identificada com os princípios ensinados por Jesus Cristo em favor dos oprimidos; acreditou que era preciso conhecer a realidade e buscar transformá-la; que era necessário mudar estruturas, rumos da política e da economia para criar novas condições de vida digna para o sofrido povo brasileiro. Foi solidária com os que sofriam discriminações; defendeu jovens que eram reprimidos pela igreja e os que eram presos, torturados pela ditadura militar. Sua voz profética levantou-se diante das estruturas opressoras do Estado e da igreja. Inconformados, eles tentaram apagar os registros sobre a atuação da Billy junto à juventude da Igreja Presbiteriana do Brasil, seu trabalho como educadora, orientadora em diversas instituições do Brasil e da América Latina.
Billy Gammon defendeu os pobres, oprimidos, injustiçados e não se conformou com o poder ditatorial da igreja nem dos militares. Devido a suas posições, foi perseguida até à morte (Sinner, Wolff e Bock [Orgs], 2006, p. 36).
Testemunhos Sobre Billy Gammon
Para Jaime Wright ela amava intensamente pessoas quer fossem das igrejas ou fora delas. E isso fica evidente quando cerceada de poder exercer suas atividades dentro de sua instituição eclesiástica, ela passou a cooperar com um grupo de cristãos interdenominacionais em Brasília, prestando serviço às favelas que existem à margem daquela cidade suntuosa, através da Ação Cristã Progente,[9] ajudando na descoberta de uma expressão da preocupação cristã pelos marginalizados deste país.
Ela tinha prazer em reunir pessoas mesmo que em seu pequeno apartamento em Brasília. E nas palavras de Alpina Gonzaga: “Ela sempre dizia: vamos nos reunir! Nem ela soube, acho eu, o quanto penetrou no mundo fora da igreja”.
O rev. Domício P. Mattos e diretor do jornal oficial da IPB (Brasil Presbiteriano), um dos poucos que deu apoio à jovem e destemida missionária, compartilha: “Caminhamos juntos um bom pedaço, mas não conseguimos ir muito longe.. . Fomos marginalizados. Primeiro Billy, no trabalho da Mocidade, depois nós, na imprensa oficial. Encontrei-me com Billy muitas outras vezes em congressos internacionais e reuniões de estudos. Ela lutava ainda pela renovação: queria a Igreja envolvida nos problemas do homem, operando com Cristo na sua libertação”.
A sua segunda vocação era o campo universitário, no qual atuou com a mesma dedicação, competência e amor: Como fica evidenciado nos testemunhos abaixo inseridos:
Preparou-se na igreja para servir ao mundo — para o qual a igreja existe. No mundo fora da igreja Billy dedicou-se com seriedade à universidade. Romildo Bueno de Souza.
Sua fragilidade era aparente. No fundo Billy era uma fortaleza, era capaz de lutar obstinadamente, se necessário, para alcançar aquilo que nem sempre estávamos vendo. Era capaz de arriscar-se pela sua visão de um novo mundo, de um novo estado de coisas. E assim Billy ultrapassou o seu tempo e o seu espaço — como os heróis mencionados na carta aos Hebreus — e serviu à igreja, à universidade e às pessoas. Jether Ramalho
Eu sei que a professora Willie exigia que a turma se esforçasse; e até mesmo ela era às vezes severa. Mas em tudo que fazia transmitia amor, bondade e principalmente ela era muito humana. (De uma estudante).
No final deste primeiro semestre de Literatura Inglesa desejamos expressar nossa profunda gratidão pelos ensinamentos recebidos. Estávamos desencorajados e fomos fortalecidos; estávamos sem esperança, mas tivemos nossa confiança renovada; nossa falta de ânimo foi recuperada pela fé que nos deu, fazendo-nos crer na nossa pró­pria capacidade, restaurando-nos a confiança que havíamos perdido há tanto tempo. Muito obrigado por tudo isto, profª Willie. (Carta de uma estudante)
As palavras de Roberto Villaça, carregadas de dor e lamento pela amiga falecida, realça seu aspecto sempre agregador: “Antigos companheiros do trabalho da mocidade, amigos de São Paulo, Brasília e Rio, hoje se reúnem aqui, pessoas que não se encontravam há tanto tempo. Billy sempre nos reuniu — e agora, vinte anos depois, estamos de novo juntos por causa dela. O motivo é triste, mas o encontro é alegre, porque ela sempre foi motivo de alegria para todos”.
A humildade, uma característica cada vez mais rara em líderes evangélicos, se destaca no árduo ministério dela em formar novas lideranças: “O que posso testemunhar nesta hora — entre tantas coisas que poderiam ser ditas — era a sua preocupação em descobrir e em preparar lideres. E Billy conseguiu, nas suas viagens pelo Brasil, descobrir essas pessoas — o que fazia com humildade e sem pensar em si mesma. . . . Sua preocupação era comunitária e ecumênica” Guaracy Maranhão.
Seu tempo à frente do trabalho da mocidade presbiteriana marcou positivamente a vida desta juventude: “O que vale mais para mim, neste momento, é relembrar a personalidade de Billy; e o que ela significou para nós. Na tristeza, temos a alegria de haver trabalhado com Billy no seu tempo na mocidade presbiteriana” Carlos Luiz Dias.
È preciso coragem para amar e servir: “Billy Gammon teve coragem de amar — e muitas vezes arriscou a sua vida e segurança pessoal para ajudar a outros. E teve coragem para servir. E capacidade de sofrer para amar e servir” Eudaldo Silva Lima.
A paciência genuína é aquela que consegue olhar para frente, na expectativa de que as coisas irão mudar positivamente: “Billy deu o seu testemunho em condições nada estimulantes — disto dou testemunho; e da sua fidelidade e paciência da esperança e da doação de si mesma; a paciência, sobretudo, de ver para a frente” Paulina Steffen.
Com a sua morte prematura e envolvida em mistério, quando foi atropelada em uma rua escura em Brasília e ali deixada por horas sem socorro, a IPB, os evangélicos protestantes e o Brasil ficaram mais pobres. Poucos foram os evangélicos brasileiros que amaram e serviram até as últimas consequências o povo sofrido desta nação. Raros são aqueles evangélicos que de fato abrem mão do conforto protetor de uma instituição eclesiástica, para encarnar a mensagem evangélica em perfeita sintonia com a pessoa e mensagem de Jesus Cristo.
Nestes dias em que um evangelicalismo materialista-hedonista tem se sobressaído no Brasil, resgatar a memória de Billy Gammon torna-se relevante e necessário. O Brasil e o protestantismo brasileiro continuam carentes de pessoas como Billy, que consegue olhar para o outro em vez de olhar para si mesma; que consegue colocar os outros, antes de si mesma; que está disposta a morrer para si mesma em favor daqueles pelas qual Cristo morreu na cruz, para que tivessem vida e vida em abundância.
Seu sepultamento foi um marco histórico no protestantismo evangélico brasileiro. Não era possível fazer um único oficio fúnebre por isso com a presença de seus irmãos Alice Gammon Coriolano e Audley Gammon, foram realizados três ofícios: em Lavras (24-9-74), em Brasília (3-10) e no Rio (1-12) — lugares onde morou por mais tempo e que deixou impressões profundas na vida de centenas e milhares de pessoas e formou uma rede de amigos. Foi sepultada no dia 24 de setembro em Lavras (MG), retornando não como heroína, mas simplesmente como a filhinha de Samuel e Clara Gammon.

Utilização livre desde que citando a fonte
Guedes, Ivan Pereira
Mestre em Ciências da Religião.
Universidade Presbiteriana Mackenzie
me.ivanguedes@gmail.com
Outro Blog
Reflexão Bíblica
http://reflexaoipg.blogspot.com.br/


Artigos Relacionados
O Protestantismo na Capital de São Paulo: A Igreja Presbiteriana Jardim das Oliveiras.
Protestantismo um Estudo de Caso: Apogeu e Declínio da Juventude Presbiteriana (50/60)
Que estou fazendo se sou cristão: Música de Protesto ou Evangelho?
A Conferência do Nordeste (Cristo e o processo revolucionário brasileiro)
Seminário Presbiteriano do Centenário: um anacronismo histórico
Rev. Richard Shaull (O Jovem Mestre)
Rev. José Borges dos Santos Jr. (O Velho Mestre)
O Centenário do Presbiterianismo no Brasil
Mudanças de paradigma teológico no protestantismo no Brasil e a fundação da ASTE.
A Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB) e o Conselho Mundial de Igreja (CMI)
Dietrich Bonhoeffer e a Genuína Postura Evangélico-Cristã Diante de Governos Déspotas e Corruptos
Protestantismo e sua contribuição na educação no Brasil

ALVES. Rubem. Religião e Repressão. Nova ed. São Paulo: Teológica; Loyola, 2005.
ARAÚJO, João Dias de. Inquisição sem fogueiras, 2ª Ed. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos da Religião, 1982 (Edição digital – PDF).
BURITY, Joanildo. Fé e revolução - protestantismo e o discurso revolucionário brasileiro (1962-1964).Rio de Janeiro: Editora Novos Diálogos, 2011.
CAMPOS JÚNIOR, Héber Carlos de. A reação da Igreja Presbiteriana do Brasil ao “Modernismo” dentro de seus seminários nas décadas de 1950 e 1966. Dissertação (Mestrado em Divindade) - Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper, São Paulo, 2003.
DANTAS. Maria Leda de Resende. Subversão e Ternura: a saga de Mariana Alvim. Recife: Bagaço. 1999.
FARIA, Eduardo Galasso. Fé e Compromisso – Richard Shaull e teologia no Brasil. São Paulo: ASTE, 2002.
FILHO, Manoel Bernardino de Santana. A ASTE e a ditadura militar. Mnemosine Revista do Programa de Pós-Graduação em História da UFCG, v.5, n. Especial, 2014.
GAMMON. Clara. Assim Brilha a Luz: a Vida de Samuel Rhea Gammon. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2003.
MENDONÇA, Antônio Gouvêia. O protestantismo no Brasil e suas encruzilhadas. IN: PEREIRA, João Baptista Borges (org.). Religiosidade no Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.
PAIXÃO JUNIOR, Valdir Gonzales. A Era do Trovão: poder e repressão na Igreja Presbiteriana do Brasil no período da ditadura militar (1966-1978). Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2000.
PEREIRA- João Baptista Borge. "Identidade protestante no Brasil ontem e hoje". In BIANCO. Gloecir: NICOLINI. Marcos (orgs.). Religare: identidade, sociedade e espiritualidade. São Paulo: Ali Print Editora. 2005, pp. 102-109.
QUADROS, Eduardo Gusmão de. Evangélicos e o Mundo Estudantil: uma historia da Aliança Bíblica Universitária do Brasil (1957-1987). Rio de Janeiro. Ed. Novos Diálogos, 2011.
SANTA ANA. Júlio H. de. Ecumenismo e Libertação. São Paulo: CESEP; Petrópolis: Vozes. 1987.
SANTIAGO-VENDRELL, Angel Daniel. Contextual theology and revolutionary transformation in Latin America : the missiology of M. Richard Shaull. Eugene, Oregon: Pickwick Publications, 2010.
SHAULL. Richard. Surpreendido pela Graça: memórias de um teólogo. Trad. Waldo César. Rio de Janeiro: Record, 2003.
SILVA, Hélerson da. A era do furacão: história contemporânea da igreja Presbiteriana do Brasil (1959-1966). Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 1996.
SINNER, Rudolf von e WOLFF, Elias e BOCK, Carlos Gilberto (Orgs.). Vidas ecumênicas: testemunhas do ecumenismo no Brasil. São Leopoldo: Sinodal: Porto Alegre : Padre Reus, 2006.
SOUZA, Silas Luiz de. Pensamento social e político no protestantismo brasileiro. São Paulo: Editora Mackenzie, 2005.
TAVARES NETO, José Querino. Igreja Presbiteriana do Brasil: poder, manutenção e continuísmo.Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Estadual de Campinas, 1997.
TORRES, João Camilo de Oliveira. História das idéias religiosas no Brasil: a igreja e a sociedade brasileira. São Paulo: Grijalbo, 1968.
TROELTSCH, Ernst. El protestantismo y el mundo modernoMéxico/Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 1951.
WOLFF. Elias. Caminhos do Ecumenismo no Brasil: história, teologia, pastoral. São Paulo: Paulus. 2002.
CEI documento 59 novembro 1974 (edição especial) BILLY GAMMON (WILLIE HUMPHREYS GAMMON).




[1] O historiador oficial da IPB Rev. Alderi Matos tem feito um esforço grande em resgatar os personagens presbiterianos. Ele faz uma sintética referência a Billy Gammon apenas no que se refere à sua filiação aos pais que foram missionários pioneiros e sua atuação institucional na IPB. Mas se houver interesse em conhecer a abrangência da atuação desta jovem presbiteriana é necessário procurar em obras interdenominacionais.
[2] O Rev. Gammon foi casado anteriormente com Willie Brown Humphreys, que faleceu em 1908, e tiveram uma filha Mary Elizabeth que casou com o Rev. Augustus Lee Davis e foram missionários no Brasil.
[3] Foi a segunda esposa do Rev. Gammon e tiveram cinco filhos: além de Billy, Alice Gennet, Adudley Anderson, Joseph Moore e Richard Rhea. Alice e Billy atuaram como missionárias nos período de 1934-1940 e 1940-1963 e seus irmãos Joseph e Richard pastorearam nos Estados Unidos.
[4] Uma das razões pelas quais as denominações protestantes mantiveram-se alheias à Sociedade brasileira, foi sua dicotomia equivocada e sem fundamentação bíblica da mensagem evangélica e as artes. Ao abandonar toda e qualquer influência nas artes brasileiras, ofereceu-a gratuitamente à outras mentalidades que dela se apropriaram e moldaram à suas imagens e semelhas, de maneira que hoje colhemos os frutos amargos desta nefasta dicotomia.
[5] Foi aluno do Prof. Rev. Erasmo Braga herdando dele sua cosmovisão da cooperação interdenominacional. Foi um dos fundadores do Instituto de Cultura Religiosa, que tinha por objetivo atingir, com os princípios evangélicos, aquelas pessoas que dificilmente entrariam numa igreja, principalmente protestante. O Instituto publicou as revistas Fé e Vida e Unitas durante muitos anos. A iniciativa dessas publicações era de presbiterianos, mas refletia a intenção de colher nas diversas denominações protestantes o reflexo do pensamento evangélico brasileiro e promover a cultura espiritual. Exerceu por duas vezes a presidência do Supremo Concílio da IPB.
[6] Nesse momento nasce no Brasil a Associação de Seminários Teológicos Evangélicos (ASTE), que irá municiar os estudantes de teologia e toda essa juventude com uma literatura teológica europeia pós segunda guerra mundial: Karl Barth (1886-1968), de Paul Tillich (1886-1965), Emil Brunner (1889-1966), Reinhold Niebuhr (1892-1971) e Dietrich Bonhoeffer (1906-1945). Mas nenhuma outra se ajustou tão perfeitamente ao momento dessa juventude protestante do que a Teologia do Evangelho Social de Rauschenbusch que moldou o senso de justiça social dos diversos grupos, em especial da UCEB, que tinha seu expoente maior na figura carismática de Richard Shaull.
[7] Esse organismo interdenominacional que inicia seus primeiros passos no Metodismo e ganha corpo no Presbiterianismo, era um movimento estudantil autenticamente protestante. Se em sua fase inicial (1920-1940) era uma ênfase na conversão, a partir da década de cinquenta a ênfase será na questão social em decorrência dos abalos sísmicos pós-segunda guerra mundial.
[8] A o se ver esvaziada da influência evangélica esse organismo tornou-se um centro de proliferação de um discurso socialista esquizofrênico que perdura até os dias atuais. Mas a culpa não é deles é nossa, pois ao tirar o sal que a preservava apenas seguiu o curso natural da deterioração e decomposição.
[9] Este projeto social iniciou-se quando o Rev. John Miller começou a dar assistência a mais de trinta mil famílias que foram retiradas das invasões, próxi­mas ao Plano Piloto, e levadas para cidade-satélite Ceilândia.