Translate

sábado, 30 de julho de 2016

O JOVEM MESTRE – Rev. Richard Shaull

            Uma das áreas mais atuante no protestantismo implantado no Brasil é sem dúvida alguma a educação. Tanto internamente, no contexto institucional-eclesiástico, quanto externamente, no âmbito da sociedade brasileira, o protestantismo tem produzido um número significativo de figuras proeminentes no campo educacional.
            Desde seus primórdios o presbiterianismo zelou e fomentou uma educação de alto nível. Seus primeiros pastores tinham uma formação acadêmica de nível universitário, recebendo uma formação multidisciplinar, capacitados a discorrer não apenas sobre as questões teológicas, mas sobre todas as demais áreas do conhecimento humano.
            Nos quadros de pastores presbiterianos encontraremos muitos que além de exercerem com excelência funções pedagógicas, também se constituíram em produtores de material didático e pedagógicos que foram amplamente utilizados a nível nacional, tanto na área da língua portuguesa, gramatica e filologia, quanto na matemática.[1] Uma figura proeminente, da segunda geração presbiteriana, é sem dúvida alguma o Rev. Erasmo Braga que dentre muitas das suas obras se sobressai a chamada - Série Braga - um conjunto de quatro livros de leitura para a escola primária, que alcançaram mais de cem edições e foram utilizados em todo o Brasil.[2]
            Em um âmbito mais educacional-eclesiástico, quero resgatar a figura proeminente, mas certamente também muito controversa, do missionário estadunidense Rev. Millard Richard Shaull (1919 - 2002) que chega ao Brasil (1952) através do convite da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB), na presidência do Rev. Benjamim Moraes Filho.     
Ele chega assumindo a cátedra no Seminário Presbiteriano de Sul (Campinas). No ano de sua chegada (1952) sai um artigo dele na Revista Teológica do SPS, relatando a perseguição sofrida pelos protestes na Colômbia, que havia testemunhado de forma ocular; ele é apresentado pelo redator da revista desta forma:
O Rev. Richard Shaull é atualmente missionário do Board de Nova Iorque, no Brasil, transferido da Colômbia para este país.
Estudou em Princeton Seminary onde, em 1941, recebeu o grau de ―Bachelor of Theology‖ e em 1946 o de ―Master of Theology‖. É candidato ao grau de ―Doctor of Theology‖ do mesmo Seminário tendo já prestado, neste ano, os necessários exames compreensivos.
Foi missionário na Colômbia de 1942 a 1951. Lá exerceu as funções de superintendente de evangelização, conselheiro da Federação Nacional de Mocidade, secretário permanente do Sínodo da Igreja Presbiteriana da Colômbia, fundador e diretor do Seminário Teológico Presbiteriano e pastor da Igreja Presbiteriana Central de Bogotá.
O Rev. Shaull tem publicado artigos na ―Presbterian Life, em ―Theology Today, no ―Christian Centry no ―Student World e no ―Predicador Evangélico. (1952, p. 71).
A chegada de Shaull vai causando alvoroço desde o início e aflorando as diferenças de pensamentos que estavam tentando conviver dentro da instituição acadêmica e da própria denominação protestante.
Mas se entre os docentes havia certa divisão e uma atmosfera de desconfiança, entre os alunos o entusiasmo era contagiante e expansivo, ultrapassando rapidamente os muros acadêmicos e alcançando a juventude presbiteriana e outras, que aspiravam promoverem as transformações que o país tanto carecia naquele momento. E Mendonça faz uma descrição desta geração de jovens protestantes:
O protestantismo, já em sua terceira geração no Brasil, formara em seu seio uma juventude burguesa intelectualizada pelo acesso às universidades que foram surgindo no período anterior. Treinados para lideranças em suas igrejas, esses jovens começaram a ter logo parte ativa nos quadros estudantis que formavam os centros acadêmicos nas escolas superiores e, assim, passaram a ver a realidade sob outro ângulo, ou melhor, voltaram suas faces para o mundo real. Ao perceberem o quanto suas igrejas estavam alheias ao que se passava fora de suas portas, passaram a falar outra língua e se abriu um vazio entre eles e as lideranças eclesiásticas. (2012, p. 87).
Corroborando esta percepção do envolvimento da mocidade presbiteriana com os anseios da sociedade escreve o também professor Guilherme Kerr em artigo no jornal oficial da IPB ―O Puritano:
[...] Porque o que temos visto por parte da mocidade nesses últimos dez anos é que ela, se de um lado está disposta a assumir a sua responsabilidade na salvação das almas, por outro não se esquece do corpo, e anseia por encontrar solução para os problemas que afligem o homem dentro da sociedade. Essa dualidade de interesses que, segundo cremos, não se opõem, mas se completam, choca-se com os interesses dominantes da igreja evangélica no Brasil. (10/02/1953 – Itálico meu).
E mediante o testemunho ocular de Luz, obtemos um perfil da pessoa de Shaull, isenta de qualquer paixão, visto que a descrição parte de alguém que contestava abertamente os conceitos e movimentos produzidos pelo missionário:
Inteligente e culto, habilidoso e astuto, dinâmico e arrojado, simpático e contagiante, o ilustre professor não foi remisso em aproveitar a fundo a magnífica oportunidade que se lhe deparava, nem deixou de tirar o máximo partido da privilegiada posição a que fora guinado. (1994, p. 260 – Itálico meu).
E de fato o veterano professor estava certo em sua leitura, pois inúmeros jovens foram impactados pelas ideias e pela convivência com este jovem professor, pastor, missionário, escritor, intelectual e idealista; alguns destes jovens alcançaram projeção nacional e internacional, como Rubem Alves, Waldo Cesar, Julio de Santa Ana, Zwinglio Dias e Rubem César Fernandes, entre tantos outros que poderiam ser listados aqui e toda uma geração de jovens presbiterianos em particular e protestantes de forma geral jamais puderam pensar no Evangelho da mesma forma, depois de Shaull. O pesquisador Paixão Junior, que entrevistou alguns destes alunos nos possibilita alguns testemunhos oculares, dos quais sito apenas o de Rubem Alves, então cursando o primeiro ano de teologia no SPS e foi aluno de Shaull:
O primeiro espanto que nos causou o Shaull foi exatamente este, que ele simplesmente nos perguntou se não nos dávamos conta de que o sagrado não podia crescer em jardins internos e protegidos, que ele é selvagem e indomável, vento que sai pelos desertos ressuscitando mortos e, pelas cidades, assobiando nos mercados, nas escolas, nos quartéis, nos palácios, nos bancos (...) a gente pensava em converter o mundo à igreja. O Shaull dizia que era preciso o contrário, que a igreja se convertesse ao mundo: sair do jardim interno, protegido e cavalgar o vento (...) para ele, era justamente nos problemas do mundo que se encontravam as marcas de Deus. Deus aparece como homem no lugar onde a vida humana comum é vivida: este é o sentido da encarnação. (2000, p. 124)
Analisando os posicionamentos em relação a Shaull, pelos Presidentes do Supremo Concilio que com ele conviveram, ainda que pela ótica de uma ortodoxia conservadora, Campos Jr. em seu trabalho sobre os seminários presbiterianos no período de 1950 a 1966, assim expressa:
Dentre os presidentes do Supremo Concílio, Benjamim Moraes o recebeu bem quando ele chegou ao Brasil, José Borges dos Santos Jr foi mais tolerante no inicio, pois não queria que ele saísse; diante das pressões parece ter cedido. Boanerges Ribeiro o classificou como o principal disseminador de ensinos heterodoxos. (2003, p. 109 – Itálico meu).
Em 1966, Shaull foi - removido - do Brasil pela Missão Central, ou Missão Presbiteriana no Brasil, ambas remanescentes da - Foreign Missions – pela qual atuava no Brasil e que o trouxe para a América do Sul em 1942, motivados com certeza pelas expectativas de um radicalismo conservador que veio de fato a se concretizar nos anos posteriores.
Sua saída vai deixar órfãos toda uma geração, que fora contagiada pelo vírus de um Evangelho beligerante, mas que será extirpada do perímetro da IPB, através de uma sistemática e prolongada repressão por parte de seus próprios líderes. Nada é mais dolorido e produz maior decepção do que ser perseguidos pelos de sua própria casa. Pouco mais de cinquenta anos se passaram e a IPB ainda não conseguiu nem ao menos chegar perto de ter uma Mocidade semelhante àquela que - alvoroçou o mundo - com suas propostas e mensagem evangélica, como Paulo e os cristãos do primeiro século foram vistos pelos moradores da cidade de Éfeso.
Desde aquela época a juventude presbiteriana contentou-se em cultivar um cristianismo de gueto e de zona de conforto, produzindo e reproduzindo uma igreja morna e insossa em relação à sua ação e influencia na sociedade brasileira.
Foi durante o IV Congresso Nacional da Mocidade Presbiteriana,[3] realizado de 02 a 10/02/1956 na cidade de Salvador, que o Rev. Richard Shaull foi homenageado como o título carinhoso de - Jovem Mestre - em deferência ao Rev. Borges que já vinha sendo chamado pelos jovens, desde outros Congressos, de - Velho Mestre. (JORNAL DA MOCIDADE, Fevereiro de 1956, Apud ARAÚJO, 1985, p. 37).[4]

Utilização livre desde que citando a fonte
Guedes, Ivan Pereira
Mestre em Ciências da Religião.
Universidade Presbiteriana Mackenzie
me.ivanguedes@gmail.com
Outro Blog
Reflexão Bíblica
http://reflexaobiblica.spaceblog.com.br/

Artigos Relacionados
O VELHO MESTRE – Rev. José Borges dos Santos Jr.
A IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL (IPB) E O CONSELHO MUNDIAL DE IGREJA (CMI)
MUDANÇA DE PARADIGMA TEOLÓGICO DO PROTESTANTISMO NO BRASIL E A FUNDAÇÃO DA ASTE
FICHÁRIO [Dissertação] O Protestantismo na Capital de São Paulo: A Igreja Presbiteriana Jardim das Oliveiras.
Presbiterianismo na Cidade de São Paulo - Pioneiro do Radialismo Evangélico

Referências Bibliográficas
ARAÚJO, João Dias de. Inquisição sem fogueiras, 2ª Ed. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos da Religião, 1985 (Edição digital – PDF).
CAMPOS JÚNIOR, Héber Carlos de. A reação da Igreja Presbiteriana do Brasil ao “Modernismo” dentro de seus seminários nas décadas de 1950 e 1966. Dissertação (Mestrado em Divindade) - Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper, São Paulo, 2003.
CASTRO, Luís Alberto de. A Trajetória do “Velho Mestre: Uma Biografia do Rev. José Borges dos Santos Júnior – um recorte historiográfico da Igreja Presbiteriana do Brasil. Dissertação (Mestre em Divindade) – Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper, São Paulo, 2011.
GUEDES, Ivan Pereira. O protestantismo na cidade de São Paulo – presbiterianismo: primórdios e desenvolvimento do presbiterianismo. Alemanha: Ed. Novas Edições Acadêmicas, 2013.
LUZ, Waldyr Carvalho. Nem General nem Fazendeiro, Ministro do Evangelho. Campinas: Luz Para o Caminho, 1994.
MENDONÇA, Antonio Gouvêia. O protestantismo no Brasil e suas encruzilhadas. IN: PEREIRA, João Baptista Borges (org.). Religiosidade no Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.
PAIXÃO JUNIOR, Valdir Gonzales. A Era do Trovão: poder e repressão na Igreja Presbiteriana do Brasil no período da ditadura militar (1966-1978). Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2000.
O PURITANO. Edição de 10/02/1953. Disponível e consultado no arquivo do Centro de Documentação – CEDOC da IPB, em São Paulo-SP, no primeiro semestre de 2013.
REVISTA TEOLÓGICA – Seminário Teológico Presbiteriano de Campinas, n° ?, 1952.




[1] Vários autores presbiterianos se notabilizaram pelos seus livros didáticos. São eles: Antônio Bandeira Trajano, com suas obras Aritmética primária, Aritmética elementar, Aritmética progressiva e Álgebra elementar; Modesto Carvalhosa, com Lições práticas de escrituração mercantil, e Eduardo Carlos Pereira, com sua famosa série de gramáticas para os cursos médio e superior (Gramática expositiva – curso elementar, Gramática expositiva – curso superior e Gramática histórica), o que o levou a ser considerado um dos sistematizadores do ensino da língua portuguesa e Otoniel Mota também contribuiu com algumas obras úteis nessa área, tais como O meu idioma, Lições de Português e um comentário do poema Os Lusíadas. Um trabalho acadêmico muito bem elaborado sobre essa literatura pedagógica protestante e sua utilização, ver LAGUNA, Shirley Puccia. Uma leitura dos livros de leitura da Escola Americana de São Paulo (1889-1933). Tese de doutorado em Educação: História, Política e Sociedade, PUC, São Paulo, 2003.
[2] Para um excelente trabalho acadêmico sobre essa série especificamente, ver MASSOTTI, Roseli de Almeida. Erasmo Braga e os valores protestantes na educação brasileira. Dissertação de Mestrado, Pós-Graduação em Ciências da Religião, Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2007.
[3] Anualmente a Confederação da Mocidade organizava congressos, quando se discutiam problemas específicos da missão dos jovens na atualidade, a intervenção nos problemas sociais e a estrutura eclesiástica. Neste IV Congresso Nacional da Mocidade Presbiteriana em Salvador, Bahia. Rev. Richard Shaull foi o preletor principal e discorreu sobre a missão, preconizando um significado novo à evangelização.
[4] Em uma entrevista Waldo César comenta sobre este momento: ―O Shaull tinha um trabalho muito grande com vários campos no Brasil, inclusive com a UCEB [União Cristã de Estudantes do Brasil], viajava muito e era chamado pra conferência em tudo que era lugar. Foi outro motivo de ciumeira, porque os pastores eram os líderes de nossos encontros de jovens e congressos da mocidade. E esses pastores começaram a ser menos convidados. Uma coisa que criou um problema muito desagradável foi que o reverendo José Borges era chamado de - velho mestre - uma grande figura. Ele teve uma influência muito grande e era sempre o grande preletor dos encontros. E quando Shaull começou a aparecer, o pessoal começou a chamá-lo de - jovem mestre - (risos). Foi a gota d`água em relação à cúpula da igreja. Que negócio é esse?” (CESAR, 2011 – Itálico meu).

Nenhum comentário:

Postar um comentário