Translate

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

HISTÓRIA DA IGREJA CRISTÃ: Atos o Primeiro Documento Histórico

O livro de Atos – Tudo tem um inicio
O livro de Atos é o primeiro documento do início de atividades da Igreja. A sua importância pode ser melhor avaliada se imaginarmos se ele não tivesse sido escrito: ficaria uma lacuna que não seria preenchida por nenhuma outra literatura contida no Novo Testamento –ele é o elo histórico entre os Evangelhos e as Epístolas.
Não somente faz esta ponte para nós, mas fornece também preciosas informações sobre a vida de Paulo e nos oferece um indispensável contexto histórico para suas correspondências epistolares. No processo, Atos relata as três primeiras décadas da vida da igreja.
Depois de apresentar resumidamente várias visões do propósito de Atos, Toussaint escreve:
O propósito do Livro de Atos pode ser declarado como segue: Lucas procura explicar como o Evangelho foi progressiva e soberanamente propagando sua mensagem dos Judeus para os Gentios, e de Jerusalém à Roma. No Evangelho de Lucas uma pergunta é respondida, “Se o Cristianismo tem suas raízes no Velho Testamento e no Judaísmo, como veio a se tornar uma religião global? ” O Livro de Atos continua nesta mesma vertente do Evangelho para responder o mesmo problema. 
Proposta do livro:
Movimento de expansão
A estrutura geográfica é uma das formas de visualizarmos o propósito do livro de Atos. Esta percepção geográfica nos ajuda a ver como a Igreja que nasce na cidade de Jerusalém (1.8), alcança em pouco mais de trinta anos, chega “até os confins da terra”, esta expressão, no seu contexto da época, significa Roma e o império romano.
O livro de Atos pode ser dividido em três partes bem distintas:
Em primeiro lugar, a expansão da igreja em Jerusalém (capítulos
1—7). Na ascensão de Cristo, a igreja era composta por 120 membros; cinquenta dias após a ressurreição de
Cristo e dez dias após a ascensão, ocorre o Pentecostes; Pedro pregou uma mensagem cristocêntrica, e cerca de três mil pessoas foram convertidas, batizadas e agregadas à igreja; o número dos convertidos multiplicou-se em Jerusalém; perseguição crescente dos judeus.
Em segundo lugar, a expansão da igreja na Judeia e em Samaria (capítulos 8—12). A morte de Estevão amplia a perseguição judaica; os cristãos dispersam e, por onde passavam, eles pregavam a mensagem evangélica; comunidades cristãs se estabelecem na cidade de Samaria por intermédio de Filipe, rompem-se barreiras raciais; ocorre a conversão de Saulo; o evangelho chega a Damasco, na Síria; através de Pedro, o evangelho alcança a Ces e através de Cornélio os gentios;
Em terceiro lugar, a expansão da igreja até aos confins da terra (capítulos 13—28). Antioquia torna-se o centro missionário dos gentios; ocorrem as diversas viagens missionárias de Paulo; comunidades cristãs vão sendo estabelecidas nas províncias da Galácia, Macedônia, Acaia e Ásia Menor; o evangelho rompe barreiras linguísticas, culturais e religiosas; apesar de toda perseguição judaica o Evangelho se estabelece em Roma (não por meio de Paulo), capital do Império.
É possível concordarmos com Keener (2004, p.?), quando afirma:
§  “Todo o Livro de Lucas é estruturado ao redor da evangelização mundial (1.8), com seis ou oito depoimentos sumários através do livro mostrando a dispersão do evangelho (ver 6.7; 9.31; 12.24; 16.5; 19.20; 28.31). Para Lucas, o objetivo último é a comunicação transcultural e a evangelização mundial, e o poder requerido para realizar a tarefa é somente o Espírito Santo” ... Partindo de Atos 1.8, que é uma variação da Grande Comissão (Mt 28.18-20) e do Ide (Mc 16.15), o livro mostra a difusão do nome de Jesus em Jerusalém, Judéia e Samaria e “até os confins da terra”. Esta expressão, no seu contexto da época, significa Roma e o império romano.
As Formas de Comunicar a Mensagem Cristã
Kerigma é o termo grego que quer dizer a Proclamação – a pregação. A base do Kerigma é a proclamação de Cristo. Modelo:
Jesus de Nazaré é o Messias, o Cristo, enviados por Deus,
             como prometido nas Escrituras, como predito pelos profetas,
             para o perdão dos pecados, para salvação do mundo;
Ele foi rejeitado pelo povo, condenado pelas autoridades;
             Ele sofreu, foi crucificado, morreu e foi sepultado
Mas Deus o ressuscitou dentre os mortos e o elevou às alturas
             e ele vai voltar um dia para nós, em glória.
Em resposta, as pessoas devem se arrepender, crer, ser batizada,
receber o Espírito Santo e juntar-se à comunidade dos crentes (Igreja).
Didaquê é a palavra grega traduzida por Doutrina. O Didaquê dos Apóstolos – ou a Doutrina dos Apóstolos (At 2.42) – era o conjunto de mandamentos práticos para a vida dos discípulos. Por exemplo: “Amai-vos uns aos outros”; “Orai sem cessar”; “Não sai da vossa boca nenhuma palavra torpe”; “Fugi da impureza”; “Maridos, amai vossas mulheres”. O Didaquê deve ser simples e objetivo.
Conclusão Inconclusiva do livro
O livro de Atos termina sem uma conclusão, podendo indicar que Lucas pretendia escrever um terceiro volume; mas providencialmente ele nos deixa claro que a caminhada da Igreja na História Humana estava apenas começando, e somente será concluída com a Segunda Vinda de Cristo.
Uma Tomografia da Igreja em Atos
Distinção do judaísmo
Inicialmente o cristianismo era confundido como sendo mais uma seita/divisão do judaísmo. Mas na medida em que aumenta a perseguição por parte dos judeus, vai ficando evidente a distinção entre a mensagem cristã e a mensagem judaica. 
Cristianismo ou Cristianismos?
Ainda nas páginas do livro de Atos e nas epístolas podemos perceber que dentro do Cristianismo sempre houve divergências. A eleição dos Diáconos surge mediante a divergência entre judeus e helenistas (judeus da Diáspora); Paulo tem que tratar de diversas divisões que ocorriam nas comunidades cristãs.
Uma “Igreja” sem Templos
Por três séculos as comunidades cristãs não construíram um único templo; suas atividades eram feitas em casas ou salões emprestados, alugados ou até mesmo comprados. Somente no século IV com o Imperador Constantino os cristãos passaram a utilizar templos pagãos e construir seus próprios templos.
Perseguições judaicas
Como os registros históricos de Atos e já mencionado as primeiras e mais violentas perseguições aos cristãos foram realizadas pelas autoridades judaicas que via no cristianismo um movimento herético do judaísmo, bem como uma ameaça ao sistema religioso que tinha no Templo seu centro de poder.
Como se Tornar Membro da Igreja
Batismo/Profissão Fé
“Catecúmeno” três anos de preparação: exame minucioso do comportamento do catecúmeno.
Perigos Iniciais
Oportunistas e Mercenários
O satirista Luciano, escritor romano, no segundo século ridiculariza os cristãos por serem tão facilmente levado por charlatães, muitas vezes dando-lhes dinheiro.
A Didaquê traz diversas recomendações sobre aqueles que se faziam de cristãos, mestres ou profetas (missionários), mas que não passavam de ladrões e exploradores
CAPÍTULO VI - 1Fique atento para que ninguém o afaste do caminho da instrução, pois quem faz isso ensina coisas que não pertencem a Deus.
CAPÍTULO XI
1Se vier alguém até você e ensinar tudo o que foi dito anteriormente, deve ser acolhido.
2Mas se aquele que ensina é perverso e ensinar outra doutrina para te destruir, não lhe dê atenção.
5Ele não deve ficar mais que um dia ou, se necessário, mais outro. Se ficar três dias é um falso profeta.
6Ao partir, o apóstolo não deve levar nada a não ser o pão necessário para chegar ao lugar o­nde deve parar. Se pedir dinheiro é um falso profeta.
8Nem todo aquele que fala inspirado é profeta, a não ser que viva como o Senhor. É desse modo que você reconhece o falso e o verdadeiro profeta.
9Todo profeta que, sob inspiração, manda preparar a mesa não deve comer dela. Caso contrário, é um falso profeta.
10Todo profeta que ensina a verdade mas não pratica o que ensina é um falso profeta.
12Se alguém disser sob inspiração: "Dê-me dinheiro" ou qualquer outra coisa, não o escutem. Porém, se ele pedir para dar a outros necessitados, então ninguém o julgue.
CAPÍTULO XII
1Acolha toda aquele que vier em nome do Senhor. Depois, examine para conhecê-lo, pois você tem discernimento para distinguir a esquerda da direita.
3Se quiser se estabelecer e tiver uma profissão, então que trabalhe para se sustentar.
4Porém, se ele não tiver profissão, proceda de acordo com a prudência, para que um cristão não viva ociosamente em seu meio.
5Se ele não aceitar isso, trata-se de um comerciante de Cristo. Tenha cuidado com essa gente!

Utilização livre desde que citando a fonte
Guedes, Ivan Pereira Mestre em Ciências da Religião.
Universidade Presbiteriana Mackenzie
me.ivanguedes@gmail.com
Outro Blog
Reflexão Bíblica
http://reflexaoipg.blogspot.com.br/


Artigos Relacionados
DIDAQUÊ: Introdução - O Manual Mais Antigo da Igreja Cristã
CARTA A DIOGNETO: Introdução

Referências Bibliográficas
ARAÚJO, C. B. R. de. A igreja dos Apóstolos: Conceito e forma das lideranças na Igreja Primitiva. Rio de Janeiro: CPAD, 2012.
BAXTER, J. Sidlow. Examinai as Escrituras, v. 6. São Paulo: Vida Nova, 1989.
BERKHOF, Louis. New Testament Introduction. Eerdmans, 1915, https://archive.org/details/NewTestamentIntroduction Scanned and Edited Mike Randall.
CAIRNS, E. E. O cristianismo através dos séculos. São Paulo: Vida Nova, 2008.
CHAMPLIN, R. N. Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia. v. 1. São Paulo: Hagnos, 8ª ed., 2006.
ERDMAN, Charles R. Hechos de Los Apóstoles. Ed. TELL, 1974.
GONZÁLEZ, J. L. História ilustrada do cristianismo. A era dos mártires até a era dos sonhos frustrados. 2. ed. rev. São Paulo: Vida Nova, 2011.
KEENER, Craig S. Comentário Bíblico Atos: Novo Testamento. Tradução José Gabriel Said. Belo Horizonte: Editora Atos, 2004.
LATOURETTE, K. S. Uma história do cristianismo. São Paulo: Hagnos, 2007.
RICE, Edwin W. People’s commentary on the Acts giving. Philadelphia: The American Sunday-School Union, 1896.
RYRIE, Charles C. Bíblia de estúdio Ryrie. Chicago (Illinois): Moody Press, 1991.
SMITH, T. C. Comentário Bíblico Broadman, v.10, JUERP, Rio de Janeiro, 1984.
WILLIAMS, David J. Novo Comentário Bíblico Contemporâneo – Atos. São Paulo: Vida,1996.
VEYNE, P. Quando nosso mundo se tornou cristão (312-394). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.


Nenhum comentário:

Postar um comentário