Translate

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

VERBETE – Denominacionalismo


O termo “denominação” e/ou “denominacionalismo” é fundamental para se compreender a expansão do protestantismo no mundo e sua implantação no Brasil.[1]
A partir do Movimento Religioso que eclodiu no século XVI e que ficou conhecido como Reforma Protestante a Igreja Cristã no Ocidente perdeu sua hegemonia, que foi sempre mais aparente do que de fato.[2] Todavia, até o século XVI havia uma única Igreja Cristã no Ocidente, mas que inicia um processo irreversível de fragmentação a partir da Reforma Protestante, primeiramente ao redor dos líderes reformistas como Lutero e Calvino e posteriormente a partir de outros movimentos reformistas nacionais, como por exemplo, a Reforma Religiosa Inglesa promovida por Henrique VIII e que produziu a Igreja Anglicana.
Esta tendência fragmentária tem pressupostos inicialmente teológicos, visto que desde o inicio os líderes reformistas não conseguiram desenvolver uma teologia que pudesse contemplar todas as formas diferentes de interpretar as doutrinas bíblicas. Um exemplo é a questão envolvendo a doutrina da Ceia onde os luteranos, os calvinistas e os anglicanos mantiveram suas interpretações particulares, ainda que em alguns momentos se dispendesse esforços para uma conciliação. Mas no desenvolvimento histórico outras questões divergentes vão sendo motivos de distanciamento e mais divisões.
Será dentro da Igreja Anglicana que irão surgir algumas subdivisões do protestantismo causadas pelo embrido teológico-politico. Dentro do movimento Puritano inglês que exigia uma ruptura plena da Igreja Anglicana em relação ao Catolicismo romano vão surgir diversas tendências que mesmo compartilhando de uma mesma teologia calvinista, divergiam quanto a questão da organização eclesiástica: os presbiterianos entendiam que o governo da igreja local deveria ser representativo através de um Conselho de Presbíteros eleitos pela assembleia, enquanto que os Congregacionais e também os batistas defendiam que a Assembleia deveria ter o governo pleno da igreja local, enquanto que os anglicanos mantiveram o governo episcopal herdado do catolicismo, assim como os metodistas que surgiram posteriormente.
Depois de muitas lutas e perseguições, bem como alternâncias no Poder Legislativo da Inglaterra, os diversos ramos puritanos começam seu êxodo para América do Norte.  Ainda que permeados por uma mesma ideologia teológica, cada segmento religioso protestante vai se expandindo no novo território. É aqui na América do Norte que o termo “denominação” ou “denominacionalismo” vai sendo forjado e será predominante no movimento missionário liderado pelos americanos em todo o mundo.
O Drº Antônio Mendonça analisando a questão do denominacionalismo protestante formula ao menos três característicos:
Primeiro, a denominação americana é uma associação voluntária o que significa a realização do ideal puritano. [...] A denominação era uma igreja desestabilizada, composta por pessoas que a ela aderiam espontaneamente e de acordo com suas preferências e convicções pessoais. [...] Segundo, a associação voluntária tinha um propósito ou intenção, o que justificava a existência de denominação diante de outras, com seus pontos a serem propagados, seus métodos e seus traços definitivos. [...] Terceiro, a denominação americana de um propósito unitivo e ecumênico, isto é, nenhuma denominação se julgava exclusiva dona da verdade. (MENDONÇA, 1984, p. 44-46 – Itálico do autor).[3]
As denominações foram, portanto um caminho encontrado para expressar, ou para alguns camuflar, uma unidade cristã em meio às múltiplas divisões eclesiásticas dentro do protestantismo. Utilizando as palavras de Niebuhr (1992, p. 13), “o denominacionalismo é, na Igreja cristã [protestante], essa hipocrisia inconfessada”.
Ao iniciarem seus projetos de transplantarem suas denominações evangélicas protestantes para o Brasil cria-se imediatamente um impacto visto que até então os brasileiros conheciam apenas uma única igreja – a Católica Romana. Ao chegarem as diversas “igrejas” protestantes, com suas ênfases peculiares teológicas, os brasileiros ficaram confusos e o catolicismo utilizou por muito tempo este aspecto fragmentário do protestantismo para questionar diante da população a genuinidade da mensagem evangélica protestante.
A situação da multiplicação de denominações evangélicas protestantes apenas demonstra a cada dia a dificuldade que existe de se aprender a conviver harmoniosamente dentro da mensagem evangélica proposta pelo próprio Cristo. Com certeza este foi e continua sendo o maior empecilho para que o protestantismo possa de fato e de verdade produzir na sociedade brasileira um impacto transformador.

Utilização livre desde que citando a fonte
Guedes, Ivan Pereira
Mestre em Ciências da Religião






Referências Bibliográficas
 HUDSON, Winthrop. Denominationalism as a basis for ecumenicity: a seventeenth century conception. Church history. Vol. 24, no. 1 (março, 1966).
MENDONÇA, Antonio G. O celeste porvir: a inserção do Protestantismo no Brasil. São Paulo: Edições Paulinas, 1984.
REYLI, Alexander Duncan. História Documental do Protestantismo no Brasil. 3ª ed. São Paulo: ASTE,
2003.




[1] O termo foi introduzido para combater o termo pejorativo “seita”, que no uso popular adquiriu conotação de práticas desviantes ou indesejáveis.
[2] Ainda no século XI, mais propriamente no ano de 1054, ocorreu o Cisma do Oriente, também chamado de Grande Cisma ou Cisma Ocidente-Oriente, que separou definitivamente a Igreja Católica Apostólica em Igreja Católica Romana e a Igreja Ortodoxa.
[3] Doutor em História Eclesiástica, Duncan Alexander Reily define a denominação como: “uma associação voluntária de indivíduos com sentimentos e pensamentos em comum, unidos na base de crenças comuns para o propósito de alcançar objetivos tangíveis e definidos.” (REYLI, 2003. p. 38 e 39). “Nenhuma insiste que a totalidade da sociedade e igreja devem submeter-se aos seus regulamentos eclesiásticos. No entanto, todas as denominações reconhecem sua responsabilidade pela totalidade da sociedade e esperam cooperar em liberdade e respeito mútuo com outras denominações e cumprir tal responsabilidade”. (HUDSON, 1966, p. 32).

Nenhum comentário:

Postar um comentário