Translate

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

PROTESTANTISMO EM IMAGENS - Baia da Guanabara e cidade do Rio de Janeiro

     Quando os primeiros missionários começaram a chegar ao Brasil, caminhando para o fim do século XIX, eles tiveram o privilégio de visualizarem e posteriormente desbravarem um país extraordinariamente belo e enigmático.
     Por mais de três séculos desde que os portugueses o colocaram no Mapa Mundial (22 de abril de 1500)[1], o Brasil ficou completamente fechado aos demais países europeus.[2] Portugal manteve até onde pode o imenso país escondido dos olhos cobiçosos dos demais reinos e impérios que os circundava.[3] Forçado a um primeiro movimento de povoamento das novas terras brasilianas, já com a liderança do rei D. João III,[4] lança-se o projeto das Capitanias Hereditárias, das quais vingaram apenas três: Pernambuco, São Vicente e Bahia. Estabelece-se então o Regime Colonial, mas é somente depois das investidas mais contundentes dos franceses (1555 – Rio de Janeiro) e posteriormente dos holandeses (1624 – Bahia e 1630 - Pernambuco) que Portugal resolveu assumir a necessidade de estabelecer cidades e povoar as terras do novo continente.
      Se a intenção inicial de Portugal era “fechar” o Brasil, depois das experiências invasoras de França e Holanda, qualquer estrangeiro passou a ser visto como inimigo da coroa. Até mesmo indivíduos eram observados e acompanhados e qualquer dúvida sobre a conduta deles era suficiente para extradita-los.[5] O Brasil ficou incomunicável com o restante do mundo.
     Esta situação somente será alterada por um acontecimento inesperado, causado pela desvairada empreitada napoleônica de estabelecer na Europa um único Império. Acossado por Napoleão e seu exército implacável, D. João VI e a família real e uma imensa corte de aproximadamente 10 a 15 mil pessoas deixam Portugal em direção do Brasil. Os poucos anos em que a Corte portuguesa permaneceu no país foi suficiente para mudar totalmente a história brasileira. A começar pelo fato de que depois de tantos séculos o Brasil abre-se para o mundo e paulatinamente os estrangeiros vão se achegando e tomando conhecimento da grandeza deste imenso país continental. Entre estes estrangeiros estão os primeiros missionários protestantes que inicialmente vem para sondar as possibilidades da implantação da religião de cunho protestante e posteriormente os primeiros missionários que aqui desembarcam com o propósito de estabelecerem suas denominações evangélicas na “Terra Brasilis”.[6]
     Estes pioneiros missionários protestantes normalmente desembarcavam na Baia da Guanabara (RJ) então principal porto brasileiro e também por ser a cidade carioca sede do Governo e capital do Brasil. Abaixo transcrevo a descrição feita por João Maurício Rugendas, desenhista de primeira grandeza, que vindo ao Brasil acompanhando uma malfadada Expedição Cientifica nos dias do Primeiro Reinado, acabou por viajar por todo o país às suas próprias custas e produzindo mais de 400 desenhos, dos quais ele ao retornar para a Europa seleciona 100 e o faz publicar em edição luxuosa, em 1835, em francês e alemão, na litografia de Engelmann, em Paris.[7] Sua descrição da Baia da Guanabara, juntamente com seus desenhos, nos arremessa àqueles primeiros momentos em que os missionários que aqui chegavam ficavam pasmados e impactados pela beleza e grandeza que se advinham do país que eles desejavam tanto alcançar com sua mensagem evangélica protestante.
     Peguemos uma carona com Rugendas e vamos adentrar a Baia da Guanabara e à cidade do Rio de Janeiro como que pela primeira vez, para sentirmos a mesma sensação que tiveram Daniel P. Kidder (1838)[8], James Cooley Fletcher (1851)[9] e sua família, Dr. Rev. Robert Reid Kalley (1855)[10] e sua esposa Sarah Kalley, o jovem Ashbel Green Simonton[11] e posteriormente sua esposa Helen Murdoch , Alexander Latimer Bleckford[12] e sua esposa Elizabeth W. Simonton, Francis Joseph Christopher Schneider, George Whitehill Chamberlain[13] e posteriormente sua esposa Mary Ann Annesley, e cada um daqueles que desembarcaram aqui naquele momento histórico inigualável quando o Brasil está se abrindo plenamente para a religião evangélica protestante, para nunca mais se fechar.

A baía do Rio de Janeiro é de forma oval e regular, com inúmeros golfos e promontórios. Seu maior comprimento, de sul a norte, é de cinco léguas e sua maior largura, de oeste a leste, é de quatro.
Entra-se na baía, vindo do oceano, por um canal mais estreito, ou melhor, por uma espécie de vestíbulo não menos irregular, cuja saída para a baía tem mais ou menos uma légua de largura, ao passo que do lado do mar a entrada é de mil braças. É essa embocadura exterior da baía do Rio de Janeiro que a primeira prancha deste caderno representa; foi ela desenhada em pleno mar, a pequena distância da terra.
À esquerda, o olhar se fixa na estranha pirâmide de pedra do Pão de Açúcar, cuja configuração fica gravada na lembrança de todo marinheiro que tenha navegado uma única vez que seja ao longo dessa costa. Ao pé do Pão de Açúcar, distinguem-se, numa faixa de terra avançada, as baterias de São Teodósio que, desse lado, defendem a entrada. Em face vê-se a fortaleza de Santa Cruz; finalmente, entre ambas, a pequena Ilha de Lajes, igualmente fortificada, que divide a embocadura da barra em dois canais dominados inteiramente pelo tiro de seus canhões. No fundo, entre o forte de São Teodósio e a Ilha de Lajes, percebe-se a de Villegagnon, coberta também de obras de defesa,
e mais ao longe a Ilha das Cobras. Quanto à cidade, ela se esconde atrás dessas duas ilhas e do Forte de São Teodósio. Logo depois dessa entrada, a costa se retira e se afasta de ambos os lados para formar duas enseadas profundas. A esquerda, que acompanha a costa ocidental, tem o nome de Botafogo; limita-se, ao norte por uma ponta eriçada de colinas (Morro do Flamengo) para trás da qual a costa toma uma direção bastante reta para o norte, até um outro promontório menor e também cheio de rochedos (Morro de Nossa Senhora da Glória), assim chamado por causa da capela nele construída. Daí por diante a costa se dirige primeiramente para o norte, em seguida faz uma ligeira curva para leste, formando, na Ponta do Calabouço, um ângulo agudo; por trás desta ponta segue, durante um pequeno espaço, a direção de noroeste, até formar um ângulo obtuso no (Morro de São Bento). Aqui começa a baía propriamente dita, retirando-se a costa para este.
A costa oriental forma, logo depois da entrada, representada na nossa primeira prancha, uma enseada profunda e irregular chamada Saco; há em seguida, uma faixa de terra rochosa e duas pontas. A do sul, chamada Ponta de Nossa Senhora da Boa Viagem, tem uma capela; a do norte apelida-se Ponta da Gravata. Este promontório, juntamente com a Ponta do Calabouço, situada bem de frente, forma a entrada da barra interior, que logo vemos alargar-se de ambos os lados. A costa da baía é montanhosa, tal qual a deste canal ou vestíbulo anterior, e não raro os rochedos se estendem até o mar.
Todavia as montanhas da costa oriental são, em geral, menos altas e de formas menos espantosas e pitorescas que as da costa ocidental, onde sobressai principalmente a enorme massa de rochedo do Corcovado. Inúmeros rios desembocam na baía e formam baixios arenosos e pantanosos e, ao longe, erguem-se as pontas buriladas da Serra dos Órgãos e da Serra da Estrela. Há na baía muitas ilhas, em sua maioria rochosas e pouco extensas. A maior está próxima da costa ocidental: chama-se Ilha do Governador. Fortificaram-se algumas à entrada da baía, destinando-se à defesa da cidade do lado do mar e à proteção dos diversos ancoradouros. Citaremos, entre estas, a Ilha de Laje, na entrada, a de Villegagnon e a das Cobras de que já falamos.
A cidade do Rio de Janeiro, está situada na costa ocidental, precisamente no ângulo que, desse lado, fecha a garganta da baía para o interior. A parte mais antiga da cidade, e também a maior, está construída sobre uma pequena planície irregular, encaixada entre duas filas de colinas rochosas e sem ligação entre si. A fila meridional atinge a Ponta do Calabouço e comporta a Fortaleza de São Sebastião; a fila setentrional termina no Morro de São Bento. É entre esses dois pontos que atracam comumente; aí se acham os cais, o paço do Palácio Imperial e, defronte do Morro de São Bento, a pequena distância a Ilha das Cobras. A oeste, essa parte da cidade é separada por uma grande praça, Campo de Santana, do bairro mais moderno de igual nome. O oeste desse arrabalde alguns riachos, juntamente com um braço de mar ou baixio, formam uma espécie de pântano, Saco do Alferes, o qual separa essa parte da cidade dos bairros mais afastados de Mata-Porcos e Catumbi. Atravessa-se Mata-Porcos numa estrada em forma de dique e passa-se a ponte de São Diogo para chegar ao Castelo Imperial de S. Cristóvão, meia milha adiante.
Talvez não exista no mundo uma região como a do Rio de Janeiro, com paisagens e belezas tão variadas, tanto do ponto de vista da forma grandiosa das montanhas como dos contornos das praias. Em virtude da multidão de enseadas e promontórios, há uma variedade infinita de panoramas, tanto para o lado da cidade como para as montanhas, tanto para o lado da baía e suas ilhas como para o mar alto. Não são menores a riqueza e a variedade da vegetação. Alguns grupos de árvores dessas florestas primitivas, que cobriam outrora as colinas e as encostas das montanhas, permaneceram na vizinhança imediata da cidade. Nos vales mais longínquos e nos flancos menos abruptos dos montes, esses grupos transformam-se em bosques extensos encimados por rochas nuas.  Mais perto da praia, as colinas e os vales enchem-se de plantações de café e chácaras esparsos, cercados de bosques deliciosos e floridos de árvores e arbustos dos trópicos.
Enfim, esboçando melhor o panorama da vegetação desse país, observam-se, cá e lá, alguns grupos de palmeiras esguias e de fetos. Os baixios a oeste da cidade, do lado do Saco do Alferes, inundam-se no momento da maré e na estação das chuvas, e o mangue as invade assim como invade o recôncavo da baía e a embocadura dos rios. Aliás, os terrenos ribeirinhos no Rio de Janeiro são mais ou menos incultos; apenas se encontram algumas plantações esparsas em frente da cidade, entre a Ponta da Gravata e o Armazém. Aí se situam as aldeias Praia Grande, São Domingos e, mais adiante, a Vila de São Lourenço, habitadas pelos descendentes da população primitiva do país.

A cidade e a baia, vistas do lado da serra. O espectador está colocado perto do grande aqueduto da Carioca, numa das colinas que vão do Corcovado à praia.



A cidade vista da plataforma do Convento de Nossa Senhora da Glória.


Uma vista tomada da colina de Nossa Senhora da Glória, mas do lado oposto, isto é, para o sul, para o bairro do Catete, que passa à esquerda, por trás do Morro do Flamengo, para atingir a praia do Botafogo. À direita, ergue-se o Corcovado, embaixo do qual se forma o vale das Laranjeiras. À esquerda, o Pão de Açúcar põe fim à série de rochedos que cerca o Botafogo.



Utilização livre desde que citando a fonte
Guedes, Ivan Pereira Mestre em Ciências da Religião.
Universidade Presbiteriana Mackenzie
Outro Blog
Reflexão Bíblica


REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS
DUSSEL, E.D. 1492 – O Encobrimento do Outro – a origem do mito da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1993.
FORTES, Pedro Henrique Ribas. Olhares franceses sobre a terra brasilis. Monografia (História) Universidade de Tuiuti do Paraná, Paraná, 2010. [Orientador: Geraldo Pieroni]. Disponível em: http://www.utp.br/historia/Tcc/Revista4_historia/PDFS/Pedro.pdf.  Acesso em 26/12/2013.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1987
POMBO, Rocha. História do Brasil. São Paulo: Edições Melhoramentos, 11ª ed., 1963. [Revista e atualizada por Hélio Vianna].
RUGENDAS, João Maurício. Viagem Pitoresca através do Brasil. [trad. de Sérgio Milliet]. São Paulo: Martins, Ed. da Universidade de São Paulo, 1972.
VARNHAGEN, Francisco Adolfo de. História geral do Brasil: antes de sua separação e independência de Portugal (volume V). Revisão e notas de Rodolfo Garcia. São Paulo: Melhoramentos, 1956.


Artigos Relacionados

As Primeiras Aberturas ao Protestantismo
http://historiologiaprotestante.blogspot.com.br/2013/10/insercao-do-presbiterianismo-no-brasil-1.html
Os Primeiros Convertidos e as Primeiras Igrejas Protestantes Brasileiras
http://historiologiaprotestante.blogspot.com.br/2013/10/insercao-do-presbiterianismo-no-brasil-2.html

O Trabalho Desenvolvido por Ashbel Green Simonton e Seus Companheiros

http://historiologiaprotestante.blogspot.com.br/2013/10/insercao-do-presbiterianismo-no-brasil-3.html
Primeiros Contatos - Invasões Francesa e Holandesa
http://historiologiaprotestante.blogspot.com.br/2013/11/protestantismo-no-brasil-primordios-e.html
A Transferência da Família Real Portuguesa
http://historiologiaprotestante.blogspot.com.br/2013/11/protestantismo-no-brasil-primeiras.html




[1] Rocha Pombo, um dos nossos primeiros historiadores, diante da questão se foi Cabral o primeiro que chegou a esta parte do novo mundo, e se teve o propósito de descobrir terras neste lado do Atlântico, ele responde: “[...] torna-se já impertinente a discussão; pois o feito do navegante português é o único que tem autenticidade histórica”. (1963, p. 23).
[2] “Estranha e desconhecida, a Terra Brasilis passou em grande parte despercebida durante os primeiros cinquenta anos da descoberta”. (FORTES, 2010, p. 330).
[3] “Alguns dias depois, a 1º de maio [1500], repetiu-se a cerimônia [Missa] com muito aparato em terra firme, no alto de uma colina, onde se levantou uma grande cruz de madeira, à frente da qual se erigiu um altar, onde foi celebrada a missa oficial, pregando fr. Henrique de Coimbra. Pela primeira vez, naquelas paragens que nasciam para a história, salvou a artilharia; enquanto Cabral tomava posse formal da Terra, em nome do seu soberano [Dom Manuel], dando-lhe o nome de Ilha da Vera Cruz (1 de maio). [...] E para que o rei não assuste a Europa levantando logo todo o pano, fala-se ainda de ilha, como sempre se fazia, e como sem dúvida se combinara ao sai de Lisboa” (POMBO, 1963, p. 22 – grifo do autor). Uma visão mais critica desta postura portuguesa (Brasil) e espanhola (América) é apresentada e discutida de forma peculiar por Enrique Dussel em “1492 – O Encobrimento do Outro”;
[4] “Quando D. João III assumiu o reinado, viu-se uma mudança nos olhares direcionados ao Brasil” (FORTES, 2010, p. 331).
[5] O caso do naturalista e geógrafo alemão Alexander von Humboldt que explorava a região amazônica é ilustrativa desta aversão portuguesa pelos estrangeiros (HOLANDA, 1987, p. 12). E o historiador Francisco Adolfo de Varnhagen informa sobre correspondências dos governadores do Maranhão e da Paraíba alertando para o perigo dos estrangeiros (p. 82)
[6] Este é o nome pelo qual o Brasil torna-se conhecido no mapa mundial em seus primeiros dias.
[7] A obra foi publicada originalmente em fascículos. Posteriormente foram reunidos em livro em 1835, com uma edição em alemão e outra em francês.
[8] Missionário metodista, um dos primeiros colportores de bíblias no país, e autor de um livro sobre o Brasil, que influenciou muitos outros para virem ao país – “Reminiscências de viagens e permanência no Brasil”, publicado em 1845.
[9] O primeiro missionário presbiteriano a desenvolver atividades no país, a partir do livro de Kidder produziu varias edições em inglês e português do livro “O Brasil e os Brasileiros” que se tornou um clássico sobre o país.
[10] Foi o primeiro missionário a estabelecer uma igreja protestante brasileira – Igreja Congregacional Fluminense. E sua esposa traduziu diversos hinos que formaram o primeiro e único hinário das igrejas evangélicas no Brasil por muitos anos.
[11] Foi o primeiro missionário presbiteriano estabelecer a denominação no país, começando pelo Rio de Janeiro. Ele e sua esposa morreram muito jovens, ela por complicações pós-parto e ele acometido de doença tropical. Ambos estão sepultados em São Paulo, no Cemitério Protestante, na Rua da Consolação.
[12] Deu prosseguimento ao trabalho inicial de Simonton, estabelecendo a Primeira Igreja Presbiteriana na cidade de São Paulo, e em diversas cidades do interior do Estado paulista.
[13] Ele sua esposa iniciaram uma pequena escola primária em sua casa, posteriormente tornou-se a Escola Americana, Colégio e veio a se constituir em uma das maiores Universidades do país – Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Nenhum comentário:

Postar um comentário